Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2015

Chupeta sim!

O uso de chupeta costuma causar polêmica entre mães e especialistas da área de saúde. Para mim, é uma ótima solução, defendo mesmo o uso, e sabe por quê? 
1. A chupeta acalma o bebê. Uso no trocador minha bebê não gosta de ficar lá, às vezes na hora de dormir, quando ela está um pouquinho mais irritada, e após a furadinha das vacinas. 2.É ótima para dar remedinhos, pingando gotinhas na parte que vai à boca ou mesmo para mantê-los na boca. 3.Dizem que deixa a criança dentuça, mas eu, por exemplo, fui a bebê lá de casa que mais demorou para se desapegar (deixei aos cinco anos!!!) e também a única das três que não teve esse problema na arcada dentária. E fala a verdade! Quem a gente conhece que nunca usou aparelho ortodôntico? Se não foi por esse problema, foi por outro. 4.Por falar em desapego, muita gente diz que essa é a parte complicada (acho que depende de cada criança e da forma como a mãe vai fazer isso), mas a vida da gente é feita de desapegos, né? As crianças aprendem desde cedo! 5…

Mãe chora

Antes de dar à luz acho esse termo engraçado a mulher vive um mar de rosas. Está envolvida, em boa parte do tempo, com o universo do bebê: chá de fraldas, enxoval, decoração do quarto, lembrancinhas da maternidade, ensaio fotográfico, curso de pais. Só que quando o filhote vem ao mundo, a mãe aprende rapidinho a chorar, passa a entender perfeitamente porque usam tanto aquela expressão “ser mãe é padecer no paraíso”.
Mãe chora quando o filho nasce. Chora quando pega o filho nos braços pela primeira vez. Chora para tentar amamentar (se conseguir e se não conseguir). Chora com as cólicas do bebê, para levar pra vacinar e furar a orelhinha.
Mãe chora porque acha que não vai dar conta, porque está exausta, porque perde a paciência, e porque pensa que nunca mais vai fazer nada para si mesma. Chora porque sabe que um dia ele vai embora (como aconteceu comigo quando ainda estava grávida!). Chora escondido e na frente dos outros. Chora porque fica mais sensível. Chora com propaganda de fral…

A loucura do primeiro mês

O primeiro mês de “aprendizado” com o bebê é surreal. A gente pensa que nunca vai acabar. Troca de oito a dez fraldas por dia, horas intermináveis de mamada, sono acumulado, exaustão... Se é mãe de primeira viagem, pior ainda, porque recebe um pacotinho e ainda não sabe direito o que fazer com ele. Não vem com manual de instrução! E mesmo com orientação, cada criança é uma criança, é preciso conhecer o bebê, diariamente. Bem, para mim, foi bastante cansativo (especialmente nos primeiros 15 dias). Assim, tendo passado por essa fase, que também tem seus momentos de delícia (rapadura é doce, mas não é mole), acho que posso dar umas dicas para ajudar quem vai encarar essa missão em breve.

1. O apoio dos familiares mais próximos é importantíssimo. A gente precisa de pessoas com experiência por perto, porque há dicas que são infalíveis desde que o mundo é mundo.

2. Tome alguns banhos por dia! Sério! Ajuda a renovar o ânimo e causa a sensação de bem-estar.

3. Procure ouvir músicas relaxantes, i…

Grávida ativa, grávida peixinho

Amo atividade física. Danço desde os cinco anos de idade. Já fiz tantas modalidades! Sapateado, dança contemporânea, jazz e ballet, além de já ter me jogado em aulas de salsa, forró, dança do ventre, e feito alguns anos de academia (adoro exercício aeróbico e em grupo). Parei de dançar para engravidar! Como uma pessoa assim consegue ficar “parada” durante nove meses?
Para resolver isso, o primeiro passo é perguntar ao obstetra quais atividades são indicadas na gravidez. Fui liberada aos quatro meses de gestação, período em que o maior risco de aborto já passou. Tinha duas opções: pilates ou hidroginástica. Fiquei com a piscina, porque considerei mais relaxante. 
Foi ótimo! Meu sono ficou mais tranquilo, inclusive por causa da água morna (piscina aquecida). Também matei um pouco da vontade de estar ativa, mantive a musculatura durinha e ainda troquei figurinhas com outras gestantes (essa parte era muito legal! rs). Pratiquei duas vezes na semana até pertinho de ter neném. Acho que todas …

Orando pelos filhos

O ambiente está na penumbra e tem aquele cheiro de fraldinha descartável. Silêncio. Paz. Será que falta algo para uma noite sossegada, repleta de anjinhos velando o sono do bebê? Quando nossos filhos estão dormindo, ainda que tenhamos feito por eles tudo o que esteve ao nosso alcance naquele dia, podemos fazer mais: impor as mãos sobre eles e profetizar bênçãos para suas vidas, pedir a Deus que os guarde e proteja de todo o mal, que cuide de sua saúde. Podemos também agradecer por nossos pequenos e pedir ajuda e orientação para criá-los com carinho e sabedoria.  

As crianças precisam, além dos cuidados óbvios do dia a dia, estar cobertas espiritualmente; uma grande responsabilidade dos pais. A oração é prova de amor, é doação de tempo, e nos inclina a ensinar aos nossos filhos, desde cedo, que não somos “donos dos nossos destinos” e que existe alguém cuidando de nós de maneira muito especial, única, regendo as circunstâncias para que todas as coisas aconteçam do modo certo e no momen…

Treze Truques para minimizar os enjoos

Grande parte das mulheres enjoa até os três meses de gestação. Foi exatamente o que aconteceu comigo. Meu enjoo não era tão forte, mas constante. Sabe aquela sensação de barco balançando? Como não gosto de tomar remédios, busquei alternativas “naturais” para diminuir o mal-estar. Quer saber quais foram? Vamos lá!
1.Já acordava com biscoito cream cracker na mão. Ele ajuda a absorver o excesso de ácido estomacal, o que causa enjoo.
2.Com o mesmo objetivo de absorção, abusei também da granola.
3.Evitava ficar com fome. O ideal é comer a cada três horas. Na rua, carregava sempre barrinhas de cereal. Ia variando os sabores. Detalhe: não aguento mais ver na minha frente!
4.Respirava fundo no carona do carro.
5.O meu recurso amado era o limão! Fazia gelo em casa com algumas gotinhas e chupava um atrás do outro. Depois meu marido começou a encher o congelador de picolé de limão! Ah! Procure saber se seu nível de açúcar no sangue está normal antes de se acabar na guloseima, ok?



6.Evitava cheiros f…

Rotina

Mamadeiras na minha cozinha. Muitas roupas pequenas tomando todo o meu varal. Uma banheira de plástico no sanitário. Brinquedos que vão aos poucos se espalhando pelos cômodos. Até a minha sala tem outra cara; mudei a decoração, afastei os móveis para caber um tal de cercadinho. De repente a vida muda, e para sempre. Tenho uma criança em casa e ela me ensina a cuidar dela dia após dia. Agora nem dá para voltar atrás e não dá também para imaginar a minha existência sem ela. Porque ela me faz cansar, mas oferece o melhor sorriso do mundo pela manhã, cheio de espontaneidade e doçura.


As horas vão passando e a minha rotina pessoal vai sendo um conjunto de intervalos entre os cuidados com ela. Enquanto escrevo (ouvindo música instrumental para bebês) ela dorme ao meu lado no carrinho. E logo já é hora da próxima mamada. Ninguém duvide da pontualidade das crianças nessa fase... Teclo (aproveitando a rápida inspiração que chegou) e olho para o relógio e para ela. Torço para que não acorde ago…

Um olhar

A maternidade nos traz experiências inesquecíveis. Do alto dos seus cinco meses de vida, minha filha já me provou isso. Cada dia é como outro dia, mas diferente. Seguimos uma rotina (bebês gostam de rotina), com seus horários certinhos e as mesmas tarefas, só que o sorriso que o seu filho não dava ontem, aparece hoje, compensando o cansaço e rendendo assunto para compartilhar com os familiares e amigos. É! A maternidade deixa a gente meio boba mesmo!

Entre as experiências "mágicas" que tive, num dia como qualquer outro... Bem, não consigo apagar da memória um olhar da minha filha, quando ela tinha ainda uns dois meses e meio, logo após a mamada (aliás, amamentar é maravilhoso! A gente se sente tão feminina, tão mãe!). Naquele dia ela me olhou no fundo dos olhos, como se não tivesse a idade que tinha. Parecia estar dizendo que me amava e o quanto eu era importante para ela.

Neste exato momento, escrevendo, não consigo acreditar na “maturidade” daquele olhar. Foi profundo e a…

Homenagem às mães

Escrevi esse poema quando tinha uns 17 anos. Na época, a diretora da escola gostou e mandou imprimir num papel especial, com uma linda gravura de flores, e entregou a todos os alunos para que homenageassem suas mães. Hoje esse texto faz muito mais sentido para mim - estou comemorando o meu primeiro Dia das Mães!!! Com algumas "adaptações" (quem escreve sempre quer melhorar suas criações), aqui vai o meu carinho para todas as mamães!


Escolhendo o nome do bebê

Tem gente que sonha com o nome do filho desde a infância, mas há quem fique totalmente perdido na hora de tomar a decisão. Não escolheu ainda? Passei por essa dificuldade também e vou tentar te ajudar, ok? Elenquei alguns critérios para facilitar a sua tarefa!
1.     As pessoas vão te pressionar um pouco para você escolher o nome. Relaxe! Você tem toda a gestação para fazer isso! Aliás, você pode escolher o nome assim que olhar para o rostinho do seu bebê. Não se preocupe se isso pode atrapalhar o “bordado” do enxoval. Definitivamente, isso não é o mais importante. E fique à vontade também se no meio do processo você resolver mudar o nome. As pessoas logo vão se acostumar com o novo nome. Acredite!
2.     Olhe muitas listas! Você pode se encantar com um nome que não lembrava que existia ou que não conhecia.
3.     Escolha umas cinco fotos de bebês lindos na internet ou revista. Pense neles com o nome que você pensou. A personificação às vezes ajuda.
4.     Veja se a sonoridade do nome te…

A escolha do pediatra

Uma das decisões mais importantes nos cuidados com o bebê é a escolha do pediatra. Poucos dias após o parto você terá que levar o seu filhote a uma consulta (é preciso agendar com antecedência, normalmente os pediatras têm agenda lotada!) Para ajudar as mamães de primeira viagem ou não listei 10 critérios que ajudam nessa tarefa seletiva:

1.Pegue a indicação de amigos ajuizados.
2.Veja se o perfil do médico combina com o seu, se você se identifica com ele. Eu, por exemplo, faço muitas perguntas e quero contar como as coisas estão indo. Além disso, gosto de médico “metódico” e/ou “organizado”, aquele que tem a ficha do paciente com o histórico e que segue uma lógica na hora de orientar. Para mamães de primeira viagem acho esse critério fundamental!
3.Verifique também os métodos que o pediatra utiliza/indica. Prefiro aquele que segue uma linha mais “natural”, que não entope o paciente de remédios antes de tentar tratamentos mais simples e menos “agressivos”.


4.Não tenha receio de trocar de …

Cinco meses de vida nova

Hoje faz cinco meses que a minha filha chegou para me lapidar. Passei a viver, com certeza, a maior e mais rica experiência da minha vida: ser mãe. Ela mudou o meu mundo e me faz sentir um amor diferente, que ultrapassa as barreiras das pequenas e inúmeras dificuldades da nova rotina e que produz em mim o desejo de ser uma pessoa melhor, que lida mais facilmente com a imprevisibilidade das circunstâncias. 
Para começar, ela é prematura tardia. Eu, que pensava em marcar a data do parto em determinado hospital, passei por trabalho de parto (sentindo as dores que imaginava insuportáveis), fui para a emergência de outra maternidade e não consegui levar para lá algumas coisas que tinha planejado (lembrança de maternidade para quê?). Assim estava Deus, através dela, me ensinando que não tenho o controle das situações e que a existência não é cartesiana.
Sentir o corpinho dela encostado no meu, ver o rostinho dela, foi um momento indescritível. O calor daquele singelo instante contrastava tan…

Essa Mãe na Blogosfera!!!

Desde que tive a minha filha - ela faz 5 meses amanhã (como passa rápido!) -, tive vontade de escrever sobre ser mãe. Em paralelo, venho dividindo algumas experiências com minhas amigas grávidas e que já têm filhos. A partir disso elas pediram para que eu fizesse um blog sobre o assunto ou atualizasse o que eu já tinha, o Ingrid Dragone , postando dicas sobre o universo materno. Bem, diante do empurrãozinho, resolvi lançar este blog!

Longe de mim ser uma PHD nesses assuntos, sou mãe de primeira viagem, mas posso dizer que sou muito curiosa (mesmo antes de pensar em engravidar eu já tirava dúvidas com minhas amigas que já eram mães), gosto de pesquisar novidades e fazer experiências. Além disso, amo escrever. Sou professora de literatura e jornalista! Então, juntando tudo isso com a minha mania de "dar dicas" (e falar de sentimentos também!), nasceu o "Essa Mãe". E de onde veio este nome? Aaaah! É assim, há muitos anos, que chamo a minha mãe!
Seja bem-vinda! Vamos tro…