Pular para o conteúdo principal

Grávida bonita e sem salto!

Hoje é sexta-feira!!! A gente já começa a planejar os passeios do final de semana! E as gravidinhas, além dos looks para cada ocasião, precisam pensar também no conforto, para aguentar as dores nas costas, o desequilíbrio, e o peso da barriguinha... Com o intuito de convencer aquelas que torcem o nariz para os sapatos baixos, como eu fazia, trago aqui alguns modelos bem lindinhos que usei na gravidez. 

A sapatilha é "a namoradinha" das brasileiras. Confortável e versátil, pode ser usada nas mais diversas ocasiões. Olha que delicado esse modelo, cheio de detalhes fofinhos. Fotos: Ingrid Dragone 

O sapato de oncinha estilo mocassim não deixava o meu pé. Mulher ama um animal print, né? Outra opção de calçado fechado é o slipper. Ele não agrada muito a ala feminina, mas fica lindo com legging e calça jeans. 

O que dizer da rasteirinha? Vai bem com calça, bermuda, short, saia, vestido, macaquinho, além de ser fresquinha. Esse modelo, com a parte de trás fechada, facilita a vida da gente, porque não permite que a barra da calça vá parar embaixo do calcanhar. A cor neutra é um coringa.

E essas fofas? Até usei as duas para fazer as fotos de um dos meus ensaios de gravidez. A correia no tornozelo modela as pernas e a frente parece uma melissinha. Também combina com os mais variados looks e é super feminina.

A mulherada, no Brasil, costuma não usar tênis para sair, mas hoje ele é lindo, moderno, cheio de cores maravilhosas! Está ganhando status e têm feito a cabeça do pessoal do mundo fashion, sendo usado, inclusive, com roupas mais "formais". Sou apaixonada por esses dois modelos. São joviais e leves. 

A alternativa mais arrumadinha para o tênis é o sapatênis. Essa cor, apesar de não parecer, é facil de combinar e levanta a produção, fica perfeita com jeans e animal print. 

Essa é uma versão mais "feminina" do tênis. Comprei este sapato na minha viagem a Campos do Jordão. Achei legal porque a frente dele não alarga o pé. 

Confesso que não é o meu predileto, mas a palmilha dele é incrivelmente confortável, ótima opção para gestantes.

Continuo usando bastante os sapatos baixos, porque sair com um bebê de seis meses (e todas as suas tralhinhas) não é fácil. Às vezes o que a gente quer mesmo é ficar à vontade para ser feliz. #ficaadica 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dezesseis dicas para ajudar o bebê a dormir melhor

Uma das coisas que deixam qualquer mãe muito cansada (e até estressada) é o sono intranquilo ou irregular do bebê. Na verdade, é impossível criar uma receita infalível e adaptável a todos os casos, pensando em fazer a criança dormir melhor. Os bebezinhos, como nós, são pessoas (!), com suas dificuldades, manias, vontades e particularidades. Para tentar ajudar quem está passando por essa fase de noites mal dormidas, vou listar alguns truques simples, todos testados com minha filha e com bons resultados. Anote aí! Foto: Ingrid Dragone 1. No início, o bebê tende a trocar o dia pela noite. Assim, desde que ele nasce, é bom ensinar o que é dia e o que é noite. Durante o dia ele deve cochilar com a luz natural e acostumado com todos os sons da rotina da casa. Já à noite, defina um horário, escureça o quarto (pode ser parcialmente, se preferir) e diminua o volume. Fiz isso com minha filha, definindo o game over às 20h. Coincidentemente ou não, é o horário que ela dorme diariamente a

Campanha Lave as Mãos para Pegar no Bebê!

Atenção, mamãe! Não ligue se a sua visita (gente da família ou não) torcer o nariz por "precisar" lavar as mãos para pegar no seu bebê. Percebi que, especialmente, as pessoas mais velhas apresentam maior resistência a esse tipo de pedido, acham frescura. Passar álcool em gel depois da lavagem das mãos? Colocar uma fraldinha em cima da roupa para carregar o bebê? Piorou ainda... E qual o seu papel nessa hora? Ser firme e zelar pela saúde do seu filho!  Você sabia que existe o Dia Mundial da Higienização das Mãos? Pois é! Todo 05 de maio as campanhas se intensificam, lembrando que o simples ato de lavar as mãos previne doenças como infecção nos olhos,  infecção estomacal e respiratória, gripes, resfriados, diarreia, doenças de pele, dor de garganta, infecção no ouvido e erupções na pele. Segundo a UNICEF ( Fundo das Nações Unidas para a Infância) - instituição da ONU (Organização das Nações Unidas) -  e a OMS (Organização Mundial da Saúde), é possível reduzir em até 40%

Fotos do seu filho que você não deve postar nas redes sociais

Está rolando nesta semana uma brincadeira nas redes sociais chamada "Desafio da Maternidade". Trata-se de uma corrente em que as mães marcam outras dez grandes mães, assim por elas consideradas, em suas linhas do tempo do Facebook para que cada uma poste três fotos de momentos que foram marcantes para elas no quesito "ser mãe". O assunto gerou um pouco de polêmica e até há uma suspeita de que a tal corrente tenha sido criada por um grupo de pedófilos para a "coleção" de novas fotos de crianças e divulgação dessas imagens em sites "indevidos". Boato ou não, a questão é que cada mãe toma sua própria decisão sobre postar ou não as fotos dos seus filhos nas redes sociais. Bem, a ideia deste texto é apenas orientar as mamães sobre que tipos de fotos dos pequenos nunca postar.  Foto: Ingrid Dragone  1.  Não poste fotos do seu filho nu  - Não interessa se na imagem ele está tomando banho, trocando a fraldinha, ou experimentando uma roupa no