Pular para o conteúdo principal

Mamãe bailarina

Minha filha está com sete meses e, após esse período de adaptação à nova rotina, voltei a dançar. As duas horas de aula são como uma pausa especial, um momento só meu, pra relaxar e extravasar as emoções. Esse tempo é comandado por uma professora cheia de carisma e talento, o que torna a atividade ainda mais divertida e interessante. E é com ela, a minha teacher, a entrevista de hoje da coluna Profissional Responde. Andreza Bastos é bailarina por formação, coreógrafa, sócia-diretora do Studio A, e mãe de Sofia (11 anos) e Miguel (3 anos) - filhos lindos, como ela faz questão de dizer! Vamos saber um pouco mais sobre os benefícios da dança para as mamães?   

O sorrisão é a marca registrada dela! Fotos: Ingrid Dragone 

Quando suas alunas voltam a dançar, após o parto, quais as maiores dificuldades que você percebe nelas, em termos de movimentos, consciência corporal e capacidade de adaptação ao ritmo das aulas?
Elas reclamam bastante da dificuldade para memorizar as sequências, da falta de condicionamento, o que tem a ver com a necessidade de um trabalho cardiovascular, falam da sensação do corpo mais pesado e da perda de flexibilidade, principalmente nas costas e pernas. No decorrer do tempo, com as aulas, as coisas vão se normalizando. Claro que o corpo não é mais o mesmo. É preciso fazer um trabalho mais intenso. Eu, por exemplo, após os meus dois partos, melhorei muito, mas trabalho com dança. O problema é que essa recuperação exige foco e depois do parto a mulher não tem tanto tempo para se dedicar ao corpo, porque tem outras prioridades, mas dá para ir voltando aos poucos. 

Em que a dança pode ajudar nesse processo de recuperação da autoestima e de fazer a vida voltar "ao normal"?
O início é difícil, porque dá aquela sensação de "será que vou conseguir?". Depois de ser mãe o olhar da mulher se volta para o filho, é um momento especial, tudo novo. Com o tempo, o cansaço e desgaste da rotina levam à necessidade de um tempo de reflexão, para pensar em si mesma. É fundamental isso, para se viver bem, para a saúde física e mental. É importante até para a relação com o filho. Ele precisa saber que o mundo não gira em torno dele, precisa saber que existe também o tempo do pai, da mãe, e vai perceber que a mãe não deixa de ser mãe porque vai para a dança ou fazer outra atividade. Quem faz dança faz porque gosta, por prazer, o que ajuda muito nesse processo todo.

Muito alongamento!

A mulher que pratica dança por muitos anos está mais preparada para o parto do que aquela que nunca fez uma atividade física regular?
A dança ajuda no processo da gravidez nos aspectos da respiração, da consciência corporal, na consciência sobre a alimentação, mas na hora do parto a dor é a mesma para todo mundo. Meus dois partos, por exemplo, foram cesárea. Por conta da minha formação em dança, tenho a bacia "deformada", além disso, tenho a estrutura pequena, e minha médica me aconselhou a não ter parto normal, porque eu poderia sofrer e o bebê também. Então, isso tudo é relativo.

Você dançou nas duas gravidezes. Quais benefícios teve com a atividade? Indica?
Dancei até uma semana antes de parir. Percebi que não sentia o cansaço e o sono que outras grávidas sentiam. Eu me sentia normal, gravidez não é doença. Não tinha medo, mas é importante ter a orientação do médico, porque existem casos que exigem mais cuidado. Voltei a dançar três meses depois dos partos, bem aos poucos, porque sentia um estirão na barriga, o que é normal, e também tinha outra prioridade naquele momento. 

Na sua visão de profissional apaixonada, por que a dança é tão envolvente e pode ser considerada a atividade perfeita para as novas mamães?
Ter um filho gera um desgaste emocional e físico muito grande, você não se cuida, não dorme direito. Na dança, você respira, se concentra, vê o que seu corpo é capaz de fazer, tudo vai além de um movimento. Essa é a diferença da dança para a musculação, por exemplo. Quem dança se conhece um pouco mais, sai dos próprios limites, tenta se superar a cada momento.

Por tudo isso eu amo dançar! E você? Ficou com vontade?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dezesseis dicas para ajudar o bebê a dormir melhor

Uma das coisas que deixam qualquer mãe muito cansada (e até estressada) é o sono intranquilo ou irregular do bebê. Na verdade, é impossível criar uma receita infalível e adaptável a todos os casos, pensando em fazer a criança dormir melhor. Os bebezinhos, como nós, são pessoas (!), com suas dificuldades, manias, vontades e particularidades. Para tentar ajudar quem está passando por essa fase de noites mal dormidas, vou listar alguns truques simples, todos testados com minha filha e com bons resultados. Anote aí!

1. No início, o bebê tende a trocar o dia pela noite. Assim, desde que ele nasce, é bom ensinar o que é dia e o que é noite. Durante o dia ele deve cochilar com a luz natural e acostumado com todos os sons da rotina da casa. Já à noite, defina um horário, escureça o quarto (pode ser parcialmente, se preferir) e diminua o volume. Fiz isso com minha filha, definindo o game over às 20h. Coincidentemente ou não, é o horário que ela dorme diariamente até hoje (ela tem 10 meses).
2. O…

Campanha Lave as Mãos para Pegar no Bebê!

Atenção, mamãe! Não ligue se a sua visita (gente da família ou não) torcer o nariz por "precisar" lavar as mãos para pegar no seu bebê. Percebi que, especialmente, as pessoas mais velhas apresentam maior resistência a esse tipo de pedido, acham frescura. Passar álcool em gel depois da lavagem das mãos? Colocar uma fraldinha em cima da roupa para carregar o bebê? Piorou ainda... E qual o seu papel nessa hora? Ser firme e zelar pela saúde do seu filho! 
Você sabia que existe o Dia Mundial da Higienização das Mãos? Pois é! Todo 05 de maio as campanhas se intensificam, lembrando que o simples ato de lavar as mãos previne doenças como infecção nos olhos, infecção estomacal e respiratória, gripes, resfriados, diarreia, doenças de pele, dor de garganta, infecção no ouvido e erupções na pele. Segundo a UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância) - instituição da ONU (Organização das Nações Unidas) - e a OMS (Organização Mundial da Saúde), é possível reduzir em até 40% a incidênc…

Fotos do seu filho que você não deve postar nas redes sociais

Está rolando nesta semana uma brincadeira nas redes sociais chamada "Desafio da Maternidade". Trata-se de uma corrente em que as mães marcam outras dez grandes mães, assim por elas consideradas, em suas linhas do tempo do Facebook para que cada uma poste três fotos de momentos que foram marcantes para elas no quesito "ser mãe". O assunto gerou um pouco de polêmica e até há uma suspeita de que a tal corrente tenha sido criada por um grupo de pedófilos para a "coleção" de novas fotos de crianças e divulgação dessas imagens em sites "indevidos". Boato ou não, a questão é que cada mãe toma sua própria decisão sobre postar ou não as fotos dos seus filhos nas redes sociais. Bem, a ideia deste texto é apenas orientar as mamães sobre que tipos de fotos dos pequenos nunca postar. 


1. Não poste fotos do seu filho nu - Não interessa se na imagem ele está tomando banho, trocando a fraldinha, ou experimentando uma roupa nova. Os pedófilos gostam de procurar f…