Pular para o conteúdo principal

Gravidinha que trabalha

Muitas mulheres ficam imaginando como será trabalhar durante a gravidez. Eu, por exemplo, trabalhei até perto de ter neném, mas posso dizer que fui abençoada (mimada, inclusive!), porque a equipe do setor de comunicação da empresa foi legal comigo, entendendo as dificuldades naturais dessa fase e aliviando o volume de tarefas gradativamente, com o avanço da minha gestação. Tive chá de fraldas e tudo! É bem verdade que isso não acontece com todo mundo. Tem chefe que, pelo contrário, persegue a grávida por considerar que ela virou um "peso" para a organização, um ser incapaz de produzir. Nesses casos, acho que a mulher deve optar pela saúde e bem-estar dela e do bebê.

Essa é a turma do trabalho. Pena que não estão todos na foto! Amo demais! Nunca vou esquecer a forma como fui tratada por cada um durante a minha gravidez! Foto: Thaís Ribeiro

Hoje é complicado realmente pensar em deixar o trabalho, mas é necessário avaliar se compensa encarar os riscos de uma atividade laboral mais estressante. Para mim, a vida vem em primeiro lugar, sempre. Lógico que gravidez não é doença, e não há problema em estar ativa nesse período, desde que a mulher conviva em um ambiente de trabalho tranquilo, onde seus superiores compreendam a sua condição - maior fragilidade emocional e física.  

Num raro momento, passei por um estresse no trabalho e acho que vale a pena relatar. Um colega de outro setor ligou pro meu ramal para questionar o formato de uma matéria que escrevi. Tentando explicar que se tratava de uma regra "jornalística", senti que meu nível de estresse subiu (embora não tenha transmitido isso para ele, mantendo a argumentação com calma). A conversa foi longa e minha bebê começou a mexer bastante na barriga. Foi assustador perceber o quanto as situações da rotina de uma grávida podem interferir no estado da criança que está sendo gerada. Fico pensando, então, como se sentem as profissionais que carregam altas cargas de preocupação. Será que vale a pena insistir?

Minha gravidez foi maravilhosa e só no finalzinho comecei a dar sinais de "stop". Sofria com dores terríveis na coluna, não conseguia dormir por conta disso e também por causa da azia e da falta de ar. Sabia que minha barriga não tinha mais para onde ir! Nesse estágio, especialmente, a compreensão da minha chefe direta e minha gerente foi fundamental para que eu conseguisse estender ao máximo o meu tempo na empresa.

Também preciso dizer que conheço muito o meu corpo e quando senti que estava no limite, pedi minha licença maternidade. Falei com minha coordenadora na segunda pela manhã e, incrivelmente, comecei a sentir contrações à noite. Fui para a emergência obstétrica do hospital e minha filha nasceu às 4h, prematura tardia, saudável e muito linda!

E o pessoal do trabalho? Foi nos visitar ainda no período de internação, confirmando, mais uma vez, o carinho que tinha (e tem) por mim e minha pequena!

Dicas práticas para a gravidinha que trabalha

* Não use salto alto, para evitar acidentes em escadas, por exemplo, e prefira roupas confortáveis, como as calças para grávidas (com malha elástica na barriga).


* Esteja sempre alimentada. Não dê espaço para enjoos e fraqueza.

* Peça atestado se for necessário.

* Esteja com os exames do pré-natal em dia.

* Procure recursos que facilitem o seu cotidiano no trabalho. Eu tive à minha disposição um suporte para os pés e um mega ventilador virado para mim (risos)! Mesmo no ar condicionado, morria de calor.

* Faça intervalos regulares, especialmente se você fica muito tempo sentada, para evitar dores na coluna e inchaço nos membros inferiores. Se estique, respire, coloque os pés para cima, dê uma voltinha.


* Beba água e nunca segure o xixi! Grávidas são mais suscetíveis a infecções urinárias.

* Aceite a ajuda dos colegas. Não precisa fingir que tudo está como era antes. Você tem mais um coração batendo dentro de você!


Instagram: @ingriddragone


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dezesseis dicas para ajudar o bebê a dormir melhor

Uma das coisas que deixam qualquer mãe muito cansada (e até estressada) é o sono intranquilo ou irregular do bebê. Na verdade, é impossível criar uma receita infalível e adaptável a todos os casos, pensando em fazer a criança dormir melhor. Os bebezinhos, como nós, são pessoas (!), com suas dificuldades, manias, vontades e particularidades. Para tentar ajudar quem está passando por essa fase de noites mal dormidas, vou listar alguns truques simples, todos testados com minha filha e com bons resultados. Anote aí!

1. No início, o bebê tende a trocar o dia pela noite. Assim, desde que ele nasce, é bom ensinar o que é dia e o que é noite. Durante o dia ele deve cochilar com a luz natural e acostumado com todos os sons da rotina da casa. Já à noite, defina um horário, escureça o quarto (pode ser parcialmente, se preferir) e diminua o volume. Fiz isso com minha filha, definindo o game over às 20h. Coincidentemente ou não, é o horário que ela dorme diariamente até hoje (ela tem 10 meses).
2. O…

Campanha Lave as Mãos para Pegar no Bebê!

Atenção, mamãe! Não ligue se a sua visita (gente da família ou não) torcer o nariz por "precisar" lavar as mãos para pegar no seu bebê. Percebi que, especialmente, as pessoas mais velhas apresentam maior resistência a esse tipo de pedido, acham frescura. Passar álcool em gel depois da lavagem das mãos? Colocar uma fraldinha em cima da roupa para carregar o bebê? Piorou ainda... E qual o seu papel nessa hora? Ser firme e zelar pela saúde do seu filho! 
Você sabia que existe o Dia Mundial da Higienização das Mãos? Pois é! Todo 05 de maio as campanhas se intensificam, lembrando que o simples ato de lavar as mãos previne doenças como infecção nos olhos, infecção estomacal e respiratória, gripes, resfriados, diarreia, doenças de pele, dor de garganta, infecção no ouvido e erupções na pele. Segundo a UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância) - instituição da ONU (Organização das Nações Unidas) - e a OMS (Organização Mundial da Saúde), é possível reduzir em até 40% a incidênc…

Fotos do seu filho que você não deve postar nas redes sociais

Está rolando nesta semana uma brincadeira nas redes sociais chamada "Desafio da Maternidade". Trata-se de uma corrente em que as mães marcam outras dez grandes mães, assim por elas consideradas, em suas linhas do tempo do Facebook para que cada uma poste três fotos de momentos que foram marcantes para elas no quesito "ser mãe". O assunto gerou um pouco de polêmica e até há uma suspeita de que a tal corrente tenha sido criada por um grupo de pedófilos para a "coleção" de novas fotos de crianças e divulgação dessas imagens em sites "indevidos". Boato ou não, a questão é que cada mãe toma sua própria decisão sobre postar ou não as fotos dos seus filhos nas redes sociais. Bem, a ideia deste texto é apenas orientar as mamães sobre que tipos de fotos dos pequenos nunca postar. 


1. Não poste fotos do seu filho nu - Não interessa se na imagem ele está tomando banho, trocando a fraldinha, ou experimentando uma roupa nova. Os pedófilos gostam de procurar f…