Pular para o conteúdo principal

A primeira praia do bebê

É verão, oficialmente, no Brasil! Com tanto calor e dias bonitos, deve ter muita mamãe por aí pensando no primeiro passeio do bebê à praia, né? Para esclarecer dúvidas sobre o que levar para tonar esse momento agradável e proteger o bebê do sol, o Blog Essa Mãe traz hoje a entrevista que eu fiz com o pediatra Ricardo Freitas Fonseca. Vamos às orientações?

Essa Mãe e família em Barra do Gil. Foto: Renê Sampaio

Blog Essa Mãe - A partir de quantos meses o bebê já pode ir à praia?
Dr. Ricardo - O bebê está apto a ir à praia, seguramente, após o quarto mês de vida, idade em que já foram aplicadas vacinas e reforços das principais patologias com alta taxa de mortalidade em nosso país. É bom evitar locais com muita aglomeração.

Blog Essa Mãe - É melhor que esse passeio seja no verão?
Dr. Ricardo - A estação do ano pouco importa, a decisão de quando levar o bebê à praia depende mais de fatores relacionados à imunidade dele. 

Blog Essa Mãe - Praias frequentadas por cães devem ser evitadas?
Dr. Ricardo - Praias frequentadas por muitos animais domésticos, como cães e gatos, oferecem maior risco de a criança contrair doenças, principalmente micoses e parasitoses. É bom evitar também praias onde o esgoto é jogado muito próximo, o que pode contaminar a areia, principalmente quando ocorrem as ressacas.

Blog Essa Mãe - Qual o horário ideal para levar o bebê à praia?
Dr. Ricardo - O horário que deve ser evitado no verão para a exposição solar direta é o período entre 10h e 16 h (11 h e 17 h, durante o horário de verão), devido à ação nociva à pele dos raios UV. O ideal é optar pelo comecinho da manhã ou final da tarde. O cuidado deve ser redobrado com bebês menores de 1 ano. A recomendação é que não fiquem mais de meia hora expostos diretamente ao sol.

Blog Essa Mãe - Qual o filtro solar indicado para cada fase do bebê?
Dr. Ricardo - Sabemos que o sol em excesso pode trazer muitos danos à pele, principalmente dos pequenos, como insolação, queimaduras e até câncer de pele. O uso do protetor solar não é recomendado para menores de 6 meses, porque nessa idade a pele ainda é bem fina e sensível, mais suscetível a quadros alérgicos. A partir dessa idade os protetores já são indicados, de preferência com fatores de proteção superiores a 30 FPS. O produto deve ser aplicado em casa, 30 minutos antes da exposição solar, e reaplicado a cada 2 horas durante a exposição. Aqui vão duas indicações: Episol Infantil FPS 50 e Sundow Kids FPS 30.

Blog Essa Mãe - Pode passar filtro solar no rostinho?
Dr. Ricardo - O filtro solar pode e deve ser passado em todo corpo, inclusive no rostinho e no couro cabeludo, já que o cabelo é fininho e não evita queimaduras. O ideal é usar um tipo de filtro solar que não saia na água.

Blog Essa Mãe - Hoje muitos pais compram para os bebês blusas e chapéus com filtro de proteção UV. O que mais é possível fazer para proteger a criança?
Dr. Ricardo - Acessórios como blusas de cores claras e chapéus com filtro de proteção UV são de grande importância e ajudam a amenizar os danos causados pela exposição ao sol, mesmo que a criança esteja debaixo do guarda-sol, recurso de extrema importância, e com protetor solar. 

Blog Essa Mãe - Quais roupinhas usar? E a fraldinha? Usar ou não? 
Dr. Ricardo - É bom deixar o bebê com uma camiseta de algodão bem fina. Se a criança tiver a pele muito clara, não é aconselhável que fique peladinha na areia, ela ainda é pequenininha e mais suscetível a micoses e infecções por microrganismos. Se o bebê for entrar na água, as fraldas impermeáveis são uma boa opção, porque oferecem mais comodidade e evitam irritações na pele.

Blog Essa Mãe - Com que frequência o bebê deve beber água? 
Dr. Ricardo - Os líquidos devem ser ofertados a cada meia hora, principalmente água. No verão, as crianças gastam mais energia e eliminam muito líquido pelo suor e urina.

Blog Essa Mãe - No caso da piscina, é verdade que a borda é a causadora de doenças de pele e não a água, que geralmente é tratada com cloro? 
Dr. Ricardo - Se for bem tratada, com uso de cloro e outros agentes, a piscina não oferece muitos riscos, pois esses produtos impedem que os microrganismos vivam e se multipliquem na água, porém o cuidado deve ser redobrado com relação às bordas da piscina, local que geralmente fica umedecido e sem nenhum tratamento, sendo mais propício para a transmissão de micoses. É importante sempre fazer o uso de chinelo ao sair da piscina, lavar bem o corpo na ducha, secar com toalha própria e nunca usar objetos pessoais de outras pessoas.


Dr. Ricardo Freitas Fonseca, médico pela Universidade do Planalto Central – DF, especialista em Pediatria pela Fundação Hospitalar de Brasília – HRC, e subespecialista em Gastroenterologia Pediátrica pelo HUB/UNB – CRM-DF  18.274.

Leia também:

É HORA DO BANHO!

ENROLE O BEBÊ! ELE GOSTA!

COMO TRATAR A CÓLICA DO BEBÊ?

DEZESSEIS DICAS PARA AJUDAR O BEBÊ A DORMIR MELHOR


Instagram: @blog.essamae 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dezesseis dicas para ajudar o bebê a dormir melhor

Uma das coisas que deixam qualquer mãe muito cansada (e até estressada) é o sono intranquilo ou irregular do bebê. Na verdade, é impossível criar uma receita infalível e adaptável a todos os casos, pensando em fazer a criança dormir melhor. Os bebezinhos, como nós, são pessoas (!), com suas dificuldades, manias, vontades e particularidades. Para tentar ajudar quem está passando por essa fase de noites mal dormidas, vou listar alguns truques simples, todos testados com minha filha e com bons resultados. Anote aí!

1. No início, o bebê tende a trocar o dia pela noite. Assim, desde que ele nasce, é bom ensinar o que é dia e o que é noite. Durante o dia ele deve cochilar com a luz natural e acostumado com todos os sons da rotina da casa. Já à noite, defina um horário, escureça o quarto (pode ser parcialmente, se preferir) e diminua o volume. Fiz isso com minha filha, definindo o game over às 20h. Coincidentemente ou não, é o horário que ela dorme diariamente até hoje (ela tem 10 meses).
2. O…

Campanha Lave as Mãos para Pegar no Bebê!

Atenção, mamãe! Não ligue se a sua visita (gente da família ou não) torcer o nariz por "precisar" lavar as mãos para pegar no seu bebê. Percebi que, especialmente, as pessoas mais velhas apresentam maior resistência a esse tipo de pedido, acham frescura. Passar álcool em gel depois da lavagem das mãos? Colocar uma fraldinha em cima da roupa para carregar o bebê? Piorou ainda... E qual o seu papel nessa hora? Ser firme e zelar pela saúde do seu filho! 
Você sabia que existe o Dia Mundial da Higienização das Mãos? Pois é! Todo 05 de maio as campanhas se intensificam, lembrando que o simples ato de lavar as mãos previne doenças como infecção nos olhos, infecção estomacal e respiratória, gripes, resfriados, diarreia, doenças de pele, dor de garganta, infecção no ouvido e erupções na pele. Segundo a UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância) - instituição da ONU (Organização das Nações Unidas) - e a OMS (Organização Mundial da Saúde), é possível reduzir em até 40% a incidênc…

Fotos do seu filho que você não deve postar nas redes sociais

Está rolando nesta semana uma brincadeira nas redes sociais chamada "Desafio da Maternidade". Trata-se de uma corrente em que as mães marcam outras dez grandes mães, assim por elas consideradas, em suas linhas do tempo do Facebook para que cada uma poste três fotos de momentos que foram marcantes para elas no quesito "ser mãe". O assunto gerou um pouco de polêmica e até há uma suspeita de que a tal corrente tenha sido criada por um grupo de pedófilos para a "coleção" de novas fotos de crianças e divulgação dessas imagens em sites "indevidos". Boato ou não, a questão é que cada mãe toma sua própria decisão sobre postar ou não as fotos dos seus filhos nas redes sociais. Bem, a ideia deste texto é apenas orientar as mamães sobre que tipos de fotos dos pequenos nunca postar. 


1. Não poste fotos do seu filho nu - Não interessa se na imagem ele está tomando banho, trocando a fraldinha, ou experimentando uma roupa nova. Os pedófilos gostam de procurar f…