Pular para o conteúdo principal

Como ensinar o consumo consciente de moda aos filhos adolescentes

Todo final de ano é a mesma coisa. O incentivo para as compras chega a ser constrangedor e ter looks completos e novos para as festas é quase uma "obrigação". Embora os brasileiros estejam comprando consideravelmente menos por causa da crise econômica que se instalou, muita mamãe ainda se vê meio perdida na hora de orientar as compras dos filhos adolescentes, público facilmente atingido pelo mercado fashion.  

Na contramão do exagero consumista, Letícia Santana, 14 anos, criou há três anos o blog Borboleta Vintage para falar de moda e tudo que ela abrange, como cultura, arte e história e, sem pretensão, virou referência para outras meninas em Salvador. Ela conta que, como toda mulher, gosta de consumir moda, mas que desde pequena aprendeu com a mãe a ter limites. "Diversas vezes, quando íamos ao shopping, minha mãe dizia para mim e minha irmã que não compraríamos nada. Acho essencial ensinar isso à criança desde cedo. Não adianta querer mostrar os limites do consumo já na metade do caminho, quando nossos conceitos já estão formados", destaca a blogueira. 

Letícia Santana, a borboletinha vintage. Foto: Gabriela Dinigre

Letícia admite que hoje raramente faz compras, por receber muitos presentes de marcas e lojas, mas enfatiza que, mesmo assim, antes já não tinha um perfil consumista. "Num mundo em que o que define uma pessoa é o que ela tem ou deixa de ter, é complicado para muitas meninas entender sobre consumo consciente. Isso mexe com a cabeça de uma pessoa e ela passa a achar que realmente é inferior por não ter roupa X ou celular Y. Acredito que o maior responsável por esse sentimento seja a busca incessante pela aceitação de um determinado grupo. O tal do status também é algo muito presente! Querer ter aquilo só para dizer que tem e que pode, sabe?", pontua Letícia.  

O que fazer então, na prática, além de dar bons conselhos, para ajudar as meninas e meninos a terem um guarda-roupa versátil, enxuto e, principalmente, critérios na hora de ir às compras? Para Amanda Dragone (minha irmã caçula!), consultora de estilo e blogueira do Rasgando Seda, o importante é levar em consideração o estilo de vida dos filhos e ser exemplo para eles. "Não adianta exigir essa consciência dos jovens, ainda em formação, e viver com o cartão de crédito no limite e o guarda-roupas abarrotado. Além disso, a mamãe pode acompanhar os filhos durante as compras e ajudá-los a montar os looks. Um bom momento para educar e ainda garantir esse tempo de qualidade", explica. 

A blogueira e consultora de estilo Amanda Dragone. Foto: Uran Rodrigues

Amanda dá ainda outras dicas legais para driblar o consumismo exagerado e o acúmulo de peças:

* Levar em consideração o estilo de vida - Não adianta ter um uma coleção de sapatos de salto alto se no dia a dia você prefere o conforto das sapatilhas. O segundo passo é refletir sobre o seu estilo pessoal. Nem sempre a camisa branca é um coringa no seu acervo. Analisar o que as roupas que você mais ama e usa têm em comum é um bom começo para listar as suas peças essenciais. Ainda mais quando nos referimos à fase da adolescência, que é cheia descobertas, influências, modismos e autoafirmação. Nesse período, é muito importante que as meninas e meninos se sintam à vontade e sem muitas regras para desenvolverem seu próprio estilo. E tenho uma dica prática para que essas experiências não ultrapassem o orçamento das mães: cada peça de baixo precisa combinar com pelo menos cinco peças de cima (o jeans não entra na brincadeira, ok?). A conta é simples e ajuda qualquer pessoa a ter um guarda-roupas mais enxuto e coordenado, para fazer novas e criativas combinações.

* A motivação para a aquisição das peças - Dois fatores devem motivar a compra de uma peça: necessidade e identificação. Ter um guarda-roupas enxuto, consumir menos e de forma mais consciente não pode nos fazer abrir mão de ter peças que nos encantam. O limite está em levar em consideração o seguinte: se você já tem duas mochilas que gosta muito e amou uma terceira, aconselho que guarde seu dinheiro e aproveite as peças que já tem.    

* Fazer compras de maneira consciente - É fundamental comprar sem prejudicar o orçamento. Faça sempre boas escolhas, ou seja, não compre diante de dúvidas ou se deixando levar pelas "oportunidades". É mais interessante comprar menos, pagando um pouco mais pela peça que você amou, fazendo valer o investimento.  

* Praticar o desapegoA prática do desapego começa de dentro para fora. Entender o que te motiva a iniciar esse processo é essencial para que a transformação aconteça. Um forte motivo que me levou a descartar muitas coisas foi o autoconhecimento. Eu era super indecisa na hora de comprar uma roupa. Não por insegurança, mas por não conseguir avaliar se aquele investimento valeria realmente a pena. Depois de me desapegar de tudo aquilo que não me representava mais, naturalmente passei a não querer que entrasse no meu guarda-roupas algo que eu gostasse menos do que o que já existia lá dentro. Comecei a comprar menos e aproveitar mais o que eu tinha, porque pude ver com clareza apenas o que me fazia bem.

* Tornar natural a prática do desapego - Para facilitar o processo, você pode começar, por exemplo, por objetos com que tenha menor vínculo emocional. Desde o início existe muita reflexão e sentimento envolvidos. A questão é que depois de descartar, organizar, e colher os benefícios dessa mudança, aprendemos a lidar com as nossas escolhas e ampliamos a consciência sobre o papel dos objetos em nossa vida. Então, o não-acúmulo se torna natural.

Leia também:






Instagram: @blog.essamae 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dezesseis dicas para ajudar o bebê a dormir melhor

Uma das coisas que deixam qualquer mãe muito cansada (e até estressada) é o sono intranquilo ou irregular do bebê. Na verdade, é impossível criar uma receita infalível e adaptável a todos os casos, pensando em fazer a criança dormir melhor. Os bebezinhos, como nós, são pessoas (!), com suas dificuldades, manias, vontades e particularidades. Para tentar ajudar quem está passando por essa fase de noites mal dormidas, vou listar alguns truques simples, todos testados com minha filha e com bons resultados. Anote aí! Foto: Ingrid Dragone 1. No início, o bebê tende a trocar o dia pela noite. Assim, desde que ele nasce, é bom ensinar o que é dia e o que é noite. Durante o dia ele deve cochilar com a luz natural e acostumado com todos os sons da rotina da casa. Já à noite, defina um horário, escureça o quarto (pode ser parcialmente, se preferir) e diminua o volume. Fiz isso com minha filha, definindo o game over às 20h. Coincidentemente ou não, é o horário que ela dorme diariamente a

Campanha Lave as Mãos para Pegar no Bebê!

Atenção, mamãe! Não ligue se a sua visita (gente da família ou não) torcer o nariz por "precisar" lavar as mãos para pegar no seu bebê. Percebi que, especialmente, as pessoas mais velhas apresentam maior resistência a esse tipo de pedido, acham frescura. Passar álcool em gel depois da lavagem das mãos? Colocar uma fraldinha em cima da roupa para carregar o bebê? Piorou ainda... E qual o seu papel nessa hora? Ser firme e zelar pela saúde do seu filho!  Você sabia que existe o Dia Mundial da Higienização das Mãos? Pois é! Todo 05 de maio as campanhas se intensificam, lembrando que o simples ato de lavar as mãos previne doenças como infecção nos olhos,  infecção estomacal e respiratória, gripes, resfriados, diarreia, doenças de pele, dor de garganta, infecção no ouvido e erupções na pele. Segundo a UNICEF ( Fundo das Nações Unidas para a Infância) - instituição da ONU (Organização das Nações Unidas) -  e a OMS (Organização Mundial da Saúde), é possível reduzir em até 40%

Fotos do seu filho que você não deve postar nas redes sociais

Está rolando nesta semana uma brincadeira nas redes sociais chamada "Desafio da Maternidade". Trata-se de uma corrente em que as mães marcam outras dez grandes mães, assim por elas consideradas, em suas linhas do tempo do Facebook para que cada uma poste três fotos de momentos que foram marcantes para elas no quesito "ser mãe". O assunto gerou um pouco de polêmica e até há uma suspeita de que a tal corrente tenha sido criada por um grupo de pedófilos para a "coleção" de novas fotos de crianças e divulgação dessas imagens em sites "indevidos". Boato ou não, a questão é que cada mãe toma sua própria decisão sobre postar ou não as fotos dos seus filhos nas redes sociais. Bem, a ideia deste texto é apenas orientar as mamães sobre que tipos de fotos dos pequenos nunca postar.  Foto: Ingrid Dragone  1.  Não poste fotos do seu filho nu  - Não interessa se na imagem ele está tomando banho, trocando a fraldinha, ou experimentando uma roupa no