Pular para o conteúdo principal

Dez diferenças entre a primeira e a segunda gravidez

Se você, assim como eu, está na segunda gestação, ou está pensando em engravidar, vai gostar ou se identificar com esse texto! Vou falar um pouco sobre como é estar grávida pela primeira e pela segunda vez. Divirta-se! 



 Essa Mãe, na primeira gravidez, com 29 semanas de gestação. Foto: Daniel Queiroz (o papai)

1. Na primeira gravidez, a gente corre toda hora para o Baby Center, quer entender o que está acontecendo com o nosso corpo e, principalmente, saber qual o tamanho do bebê naquela semana e o que ele anda fazendo dentro da barriga. Na segunda gravidez? A gente esquece um pouco disso, especialmente se tiver outro filho pequeno, como eu. Tenho uma princesa de um ano e um mês, praticamente um bebê.

2. A segunda gravidez poderá ser completamente diferente da primeira. Na primeira, sentia enjoo o dia quase todo, até o final do primeiro trimestre, embora não chegasse a vomitar. Passava mal ao olhar certas comidas ou sentir certos cheiros. Uma vez lavei o pescoço para tirar meu perfume no banheiro do trabalho. Por conta desse estado, até emagreci no início. Na segunda gestação? Tive muito mais fome no começo e senti enjoo pouquíssimas vezes, inclusive, por esquecer da gravidez e demorar de comer.

3. A gente é, com certeza, mais dengada na primeira gravidez. As pessoas sentem uma compaixão por aquela "mãezinha indefesa" que nada sabe sobre criação de filhos... rs 

4. Quando descobri o sexo da minha filha, corri para comprar o brinquinho de ouro, o pingente de bonequinha para pendurar na minha corrente, e fazer o enxoval. Para o meu garotinho? Ainda não fiz compras e estive olhando as roupinhas unissex da irmã que vão servir pra ele. Claro que não sou uma mãe desnaturada! Simplesmente a gente relaxa mais... Em breve me empolgo e faço as compras direitinho.

5. Na primeira gravidez, a gente só fala desse assunto, sonha com esse assunto, respira esse assunto. Na segunda, continua sendo algo importante, mas não é o foco, definitivamente.

6. Até para os familiares e amigos a notícia da primeira gravidez é mais impactante! A comemoração é maior! Os conselhos e brincadeiras surgem a cada instante! 

7. A gente fica sonhando com o crescimento da barriga na primeira gravidez. Na segunda, por conta da rotina com o primogênito (se for muito pequeno, principalmente), a gente sabe que a barriga poderá ser um obstáculo inegável para as tarefas do dia a dia. 

8. Lembro que eu cantava bastante para minha filha quando ela estava na barriga. Também fazia muito carinho nela. E na segunda gravidez? Às vezes falta tempo ou a gente esquece. Fato. 

9. Na primeira gestação, a gente consegue descansar muito mais. Eu, por exemplo, chegava cedo do trabalho e dormia um bocado de tarde... Nessa? Hahaha Praticamente não sei o que é isso, embora o sono também tenha sido intenso no primeiro trimestre. 

10. A gente tem mais grilos, medos e dúvidas na primeira gestação. Tudo é muito novo. Não é raro uma mãe de primeira viagem parar no hospital por causa de um desconforto no útero. Os médicos estão até meio acostumados com isso e acham graça. Na segunda? A gente às vezes nem dá bola para um monte de coisinhas, já tem experiência.  

Diante de tantas diferenças, a gente pode se perguntar se vai amar o segundo filho como ama o primeiro. Para ser sincera, nunca pensei a respeito, mas algumas mães de dois já me falaram sobre isso e muitas delas tinham esse questionamento até ter o caçulinha nos braços. Eu sei e sinto que carrego um amor no colo, um na barriga, e os dois no coração. 


Leia também:







Instagram: @blog.essamae 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dezesseis dicas para ajudar o bebê a dormir melhor

Uma das coisas que deixam qualquer mãe muito cansada (e até estressada) é o sono intranquilo ou irregular do bebê. Na verdade, é impossível criar uma receita infalível e adaptável a todos os casos, pensando em fazer a criança dormir melhor. Os bebezinhos, como nós, são pessoas (!), com suas dificuldades, manias, vontades e particularidades. Para tentar ajudar quem está passando por essa fase de noites mal dormidas, vou listar alguns truques simples, todos testados com minha filha e com bons resultados. Anote aí! Foto: Ingrid Dragone 1. No início, o bebê tende a trocar o dia pela noite. Assim, desde que ele nasce, é bom ensinar o que é dia e o que é noite. Durante o dia ele deve cochilar com a luz natural e acostumado com todos os sons da rotina da casa. Já à noite, defina um horário, escureça o quarto (pode ser parcialmente, se preferir) e diminua o volume. Fiz isso com minha filha, definindo o game over às 20h. Coincidentemente ou não, é o horário que ela dorme diariamente a

Campanha Lave as Mãos para Pegar no Bebê!

Atenção, mamãe! Não ligue se a sua visita (gente da família ou não) torcer o nariz por "precisar" lavar as mãos para pegar no seu bebê. Percebi que, especialmente, as pessoas mais velhas apresentam maior resistência a esse tipo de pedido, acham frescura. Passar álcool em gel depois da lavagem das mãos? Colocar uma fraldinha em cima da roupa para carregar o bebê? Piorou ainda... E qual o seu papel nessa hora? Ser firme e zelar pela saúde do seu filho!  Você sabia que existe o Dia Mundial da Higienização das Mãos? Pois é! Todo 05 de maio as campanhas se intensificam, lembrando que o simples ato de lavar as mãos previne doenças como infecção nos olhos,  infecção estomacal e respiratória, gripes, resfriados, diarreia, doenças de pele, dor de garganta, infecção no ouvido e erupções na pele. Segundo a UNICEF ( Fundo das Nações Unidas para a Infância) - instituição da ONU (Organização das Nações Unidas) -  e a OMS (Organização Mundial da Saúde), é possível reduzir em até 40%

Fotos do seu filho que você não deve postar nas redes sociais

Está rolando nesta semana uma brincadeira nas redes sociais chamada "Desafio da Maternidade". Trata-se de uma corrente em que as mães marcam outras dez grandes mães, assim por elas consideradas, em suas linhas do tempo do Facebook para que cada uma poste três fotos de momentos que foram marcantes para elas no quesito "ser mãe". O assunto gerou um pouco de polêmica e até há uma suspeita de que a tal corrente tenha sido criada por um grupo de pedófilos para a "coleção" de novas fotos de crianças e divulgação dessas imagens em sites "indevidos". Boato ou não, a questão é que cada mãe toma sua própria decisão sobre postar ou não as fotos dos seus filhos nas redes sociais. Bem, a ideia deste texto é apenas orientar as mamães sobre que tipos de fotos dos pequenos nunca postar.  Foto: Ingrid Dragone  1.  Não poste fotos do seu filho nu  - Não interessa se na imagem ele está tomando banho, trocando a fraldinha, ou experimentando uma roupa no