Pular para o conteúdo principal

Técnica de ginástica abdominal europeia já é oferecida em Salvador

Uma das queixas mais frequentes das mamães é a "barriguinha pós-parto". Voltar à forma, em muitos casos, é difícil, por questões genéticas ou mesmo por exigir tempo e disciplina. Por outro lado, não faltam opções no mercado "fitness". Um exemplo é a Ginástica Abdominal Hipopressiva, método surgido na Europa e que chegou há pouco tempo ao Brasil (alguns estados) e, recentemente, em Salvador!!! Para falar sobre o assunto, o Blog Essa Mãe traz a entrevista que eu fiz com Larissa Aguiar, fisioterapeuta, educadora perinatal e sócia-diretora do Espaço Maternare, estabelecimento pioneiro na Bahia na oferta desse tipo de técnica aplicada ao período pós-parto. Confira!  


Foto: Lara Albuquerque

Blog Essa Mãe - Como funciona a Ginástica Abdominal Hipopressiva?
Larissa - O Método Hipopressivo surgiu nos anos 80, como uma alternativa para a recuperação da faixa abdominal após o parto, no âmbito da fisioterapia obstétrica. Foi criada como uma técnica benéfica para os músculos abdominais, sem efeitos negativos sobre o assoalho pélvico, ou seja, sem provocar pressão nas estruturas, órgãos internos ou na coluna. Os exercícios abdominais tradicionais não são adequados para período do pós-parto imediato, pois produzem pressão intra-abdominal e pélvica, contribuindo para que as vísceras sejam empurradas para baixo. 

A Ginástica Abdominal Hipopressiva engloba posturas, técnicas respiratórias e movimentos que visam a diminuição da pressão nas cavidades torácica, abdominal e pélvica. Os exercícios provocam uma ativação involuntária da musculatura do pavimento pélvico e da faixa abdominal. A aspiração diafragmática cria uma diminuição da pressão intra-abdominal, provocando um efeito de vácuo, que aspira as vísceras para cima, ao mesmo tempo em que é tonificada, de modo cientificamente comprovado, a parede abdominal e fortalecida a musculatura do assoalho pélvico.

Blog Essa Mãe - Quanto tempo após o parto a mulher já sente resultados significativos? 
Larissa - A prática regular dos exercícios provoca efeitos a curto prazo, imediatamente (até 1 mês); a médio prazo (de 1 a 6 meses); e a longo prazo (mais de 6 meses). A perda da barriga vai variar de pessoa para pessoa, de acordo com sua fisiologia, do cumprimento das orientações dadas pela profissional, e da assiduidade nos treinos.

Blog Essa Mãe - Há contraindicação?
Larissa - Não podem praticar as mulheres com hipertensão arterial não controlada, com menos de 45 dias após o parto, ou com recomendação médica para a não realização de atividade física.

Blog Essa Mãe - O profissional que ensina essa técnica precisa fazer um curso preparatório. Fale um pouco sobre a importância dessa capacitação.
Larissa - É preciso realizar um curso e obter a certificação emitida ou autorizada pela Academia Interdisciplinaria en Ciencias de la Motricidad (A.I.C.M.). O método é bastante complexo, com técnicas específicas, desenvolvidas através de anos de pesquisa. Sem um profundo conhecimento de fisiologia e das especificidades desse método, é impossível aplicá-lo com eficácia.

Blog Essa Mãe - Quais benefícios o método traz para a mulher, além da redução da gordura abdominal?
Larissa - Além de ajudar a mulher a ter uma barriga sequinha, a Ginástica Abdominal Hipopressiva diminui o perímetro da cintura; fortalece o abdome; aumenta a força de contração do períneo; aumenta o tônus do pavimento pélvico e da faixa abdominal (redução da flacidez); melhora as funções sexuais e postura; trata e previne incontinência urinária; evita dores nas costas; melhora o funcionamento intestinal; e reduz a diástase pós-parto.

Blog Essa Mãe - Quais cuidados a pessoa deve ter ao praticar esse exercício?
Larissa - A aluna não pode realizar a atividade logo após as refeições ou com fome; deve manter a assiduidade de duas vezes por semana; iniciar o programa de exercícios de forma leve, e ir evoluindo aos poucos, respeitando os limites do corpo; deve associar a atividade a uma alimentação saudável e balanceada; e realizar a técnica com um profissional devidamente habilitado e certificado.


Leia também:






Instagram: @blog.essamae


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dezesseis dicas para ajudar o bebê a dormir melhor

Uma das coisas que deixam qualquer mãe muito cansada (e até estressada) é o sono intranquilo ou irregular do bebê. Na verdade, é impossível criar uma receita infalível e adaptável a todos os casos, pensando em fazer a criança dormir melhor. Os bebezinhos, como nós, são pessoas (!), com suas dificuldades, manias, vontades e particularidades. Para tentar ajudar quem está passando por essa fase de noites mal dormidas, vou listar alguns truques simples, todos testados com minha filha e com bons resultados. Anote aí! Foto: Ingrid Dragone 1. No início, o bebê tende a trocar o dia pela noite. Assim, desde que ele nasce, é bom ensinar o que é dia e o que é noite. Durante o dia ele deve cochilar com a luz natural e acostumado com todos os sons da rotina da casa. Já à noite, defina um horário, escureça o quarto (pode ser parcialmente, se preferir) e diminua o volume. Fiz isso com minha filha, definindo o game over às 20h. Coincidentemente ou não, é o horário que ela dorme diariamente a

Campanha Lave as Mãos para Pegar no Bebê!

Atenção, mamãe! Não ligue se a sua visita (gente da família ou não) torcer o nariz por "precisar" lavar as mãos para pegar no seu bebê. Percebi que, especialmente, as pessoas mais velhas apresentam maior resistência a esse tipo de pedido, acham frescura. Passar álcool em gel depois da lavagem das mãos? Colocar uma fraldinha em cima da roupa para carregar o bebê? Piorou ainda... E qual o seu papel nessa hora? Ser firme e zelar pela saúde do seu filho!  Você sabia que existe o Dia Mundial da Higienização das Mãos? Pois é! Todo 05 de maio as campanhas se intensificam, lembrando que o simples ato de lavar as mãos previne doenças como infecção nos olhos,  infecção estomacal e respiratória, gripes, resfriados, diarreia, doenças de pele, dor de garganta, infecção no ouvido e erupções na pele. Segundo a UNICEF ( Fundo das Nações Unidas para a Infância) - instituição da ONU (Organização das Nações Unidas) -  e a OMS (Organização Mundial da Saúde), é possível reduzir em até 40%

Fotos do seu filho que você não deve postar nas redes sociais

Está rolando nesta semana uma brincadeira nas redes sociais chamada "Desafio da Maternidade". Trata-se de uma corrente em que as mães marcam outras dez grandes mães, assim por elas consideradas, em suas linhas do tempo do Facebook para que cada uma poste três fotos de momentos que foram marcantes para elas no quesito "ser mãe". O assunto gerou um pouco de polêmica e até há uma suspeita de que a tal corrente tenha sido criada por um grupo de pedófilos para a "coleção" de novas fotos de crianças e divulgação dessas imagens em sites "indevidos". Boato ou não, a questão é que cada mãe toma sua própria decisão sobre postar ou não as fotos dos seus filhos nas redes sociais. Bem, a ideia deste texto é apenas orientar as mamães sobre que tipos de fotos dos pequenos nunca postar.  Foto: Ingrid Dragone  1.  Não poste fotos do seu filho nu  - Não interessa se na imagem ele está tomando banho, trocando a fraldinha, ou experimentando uma roupa no