Pular para o conteúdo principal

Coach de mães fala sobre como retomar projetos após a maternidade

Com a maternidade, muitas mulheres acabam adiando um pouco os seus projetos pessoais e sonhos. A missão de ser mãe exige tempo e dedicação e, no meio disso tudo, o sentimento de culpa costuma tomar conta de quem pensa em retomar uma atividade ou desengavetar ideias e planos. Para falar sobre esse assunto, o Blog Essa Mãe traz hoje a entrevista que eu fiz com Bianca Amorim, mãe de Davi (três anos) e Lucas (um ano e sete meses), Coach de mães e psicóloga perinatal. Ela é idealizadora, em Salvador, do projeto "Renascendo após a maternidade”, através do qual ajuda mulheres que desejam se redescobrir depois do nascimento dos filhos.

Foto: Ingrid Dragone 

Blog Essa MãeQual a maior dificuldade da mulher ao resolver retomar os seus projetos após a maternidade?
Bianca - Ela se questiona sobre como ter tempo para desenvolver esses projetos, sem delegar ou terceirizar os filhos. Vivemos em uma época em que as mulheres já entenderam a importância daqueles primeiros anos de vida da criança e o quanto é benéfico ela participar ativamente disto, mas ela também tem seus próprios anseios e desejos e é positivo, não só por ela, mas também para a relação com os filhos, dar vazão a esses projetos.

Blog Essa Mãe - O sentimento de culpa costuma atrapalhar essa retomada?
Bianca - É bem clichê, mas é a realidade: nasce uma mãe, nasce uma culpa! O que eu proponho é que a mulher substitua a culpa pela responsabilidade. Somos responsáveis por todas as nossas decisões e, invariavelmente, todas terão pontos bons e ruins. Além disso, até mesmo essa mãe que falta em alguns momentos para este (s) filho (s), tem que ver isso como um aspecto importante para seu processo de desenvolvimento e constituição enquanto pessoa. A mãe não deve ser perfeita, somente suficientemente boa. 

Blog Essa Mãe - Qual o primeiro passo para recomeçar esses projetos?
Bianca - O primeiro passo é o autoconhecimento. Você precisa saber se esses projetos estão alinhados com seus propósitos de vida, pois isso fará valer a pena estar longe dos filhos por algumas horas do dia. Além disso, ter segurança e convicção daquilo que deseja será fundamental para aceitar a ajuda de terceiros nesta relação com o filho; escutar os palpiteiros de plantão, que certamente vão discordar da solução que você encontrou para ter tempo de colocar os projetos em ação (seja deixar a criança na escola, com babá ou com os avós, por exemplo); e diminuir o sentimento de culpa. 

Blog Essa Mãe - É possível hoje, com tantas atribuições, a mulher ser realizada enquanto mãe e também profissionalmente?
Bianca - Para isso, ela precisa entender que não precisa dar conta de tudo. É o que chamamos de "Síndrome da Mulher Maravilha". Não, nós não damos conta de tudo. Precisamos do auxílio de outras pessoas e precisamos dividir as responsabilidades com alguém, de preferência, o pai da criança.

Blog Essa Mãe - Como a mulher pode se preparar psicologicamente para voltar a trabalhar, por exemplo?
Bianca - No meu mundo ideal, todas contariam com a ajuda de um psicólogo, pois preparo emocional requer um tempo para olhar para as próprias emoções, mas, como sei que a maioria não tem essa oportunidade (ou não entende essa necessidade), oriento que é importante refletir sobre suas escolhas e sempre colocar no papel os pontos positivos e negativos dessa decisão. A partir do momento que você tem certeza daquilo que quer e assume a responsabilidade por isso, você certamente conseguirá passar pelos desafios que esta decisão lhe trará.

Blog Essa Mãe - As exigências da sociedade com relação à mulher são muito grandes. Como lidar com isso?
Bianca - Percebo que estamos em uma fase de transição e já tem muita família lidando melhor com essa mulher que tem vários papéis sociais a desempenhar, mas que precisa de tempo para conciliar todos eles. E não tem outra forma de lidar com isso que não seja contar com uma boa rede de apoio. É preciso apoio não só físico, mas também emocional, para administrarmos todos esses papéis, cada um no momento oportuno.

Blog Essa Mãe - A decisão de retomar projetos é complexa. Em que parâmetros a mulher pode se basear para saber que está na hora de recomeçar?
Bianca - Isso é algo muito individualizado, existem mulheres que retornam de suas licenças maternidade (4-6 meses) felizes da vida, enquanto outras adiam esse momento de retomada profissional. Não há escolha certa e errada, há a escolha daquela mulher, aquilo que a fará feliz com sua vida e, por consequência, uma mãe melhor. Para saber a hora certa, é preciso olhar para dentro, refletir, pesar na balança e com isso voltamos para o conceito de autoconhecimento, que é a real chave de tudo.

Blog Essa Mãe - Como lidar com uma possível tristeza dos filhos, que podem se sentir, de alguma forma, roubados por esses novos projetos da mãe?
Bianca - As crianças precisam de um tempo para se adaptar a essa nova realidade e o que facilitará isso é o diálogo. Mesmo os mais bebês entendem aquilo que transmitimos a eles com verdade e segurança. Além disso, é essencial que essa mãe não terceirize seu filho. Contar com uma rede de apoio não é delegar os cuidados e educação. Como o nome já diz é apoio. Os protagonistas desta história continuam sendo a mãe e o pai. Por último, trabalhar na hora que se é para trabalhar e estar realmente com o filho no momento destinado a ele. É o chamado tempo de qualidade, aquele em que você está, verdadeiramente, prestando atenção e brincando com vontade. No mais, muita paciência e ter certeza que você estando feliz, seus filhos estarão bem!


Bianca Amorim é Coach certificada pela Sociedade Brasileira de Coaching desde 2012. Ela também é fundadora e facilitadora da roda de conversa Amamentar, que fornece apoio emocional às grávidas e lactentes. Foto: Luciana Veríssimo.



Para falar sobre esse assunto, Bianca tem promovido encontros com mães de Salvador através do projeto "Renascendo após a maternidade”. A próxima edição será no dia 12 de março, entre 9h e 17h, na Escola Casa da Infância (Itaigara). Mais informações sobre o evento através do e-mail: bianca@amama.com.br. 

Leia também:







Instagram: @blog.essamae 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dezesseis dicas para ajudar o bebê a dormir melhor

Uma das coisas que deixam qualquer mãe muito cansada (e até estressada) é o sono intranquilo ou irregular do bebê. Na verdade, é impossível criar uma receita infalível e adaptável a todos os casos, pensando em fazer a criança dormir melhor. Os bebezinhos, como nós, são pessoas (!), com suas dificuldades, manias, vontades e particularidades. Para tentar ajudar quem está passando por essa fase de noites mal dormidas, vou listar alguns truques simples, todos testados com minha filha e com bons resultados. Anote aí!

1. No início, o bebê tende a trocar o dia pela noite. Assim, desde que ele nasce, é bom ensinar o que é dia e o que é noite. Durante o dia ele deve cochilar com a luz natural e acostumado com todos os sons da rotina da casa. Já à noite, defina um horário, escureça o quarto (pode ser parcialmente, se preferir) e diminua o volume. Fiz isso com minha filha, definindo o game over às 20h. Coincidentemente ou não, é o horário que ela dorme diariamente até hoje (ela tem 10 meses).
2. O…

Campanha Lave as Mãos para Pegar no Bebê!

Atenção, mamãe! Não ligue se a sua visita (gente da família ou não) torcer o nariz por "precisar" lavar as mãos para pegar no seu bebê. Percebi que, especialmente, as pessoas mais velhas apresentam maior resistência a esse tipo de pedido, acham frescura. Passar álcool em gel depois da lavagem das mãos? Colocar uma fraldinha em cima da roupa para carregar o bebê? Piorou ainda... E qual o seu papel nessa hora? Ser firme e zelar pela saúde do seu filho! 
Você sabia que existe o Dia Mundial da Higienização das Mãos? Pois é! Todo 05 de maio as campanhas se intensificam, lembrando que o simples ato de lavar as mãos previne doenças como infecção nos olhos, infecção estomacal e respiratória, gripes, resfriados, diarreia, doenças de pele, dor de garganta, infecção no ouvido e erupções na pele. Segundo a UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância) - instituição da ONU (Organização das Nações Unidas) - e a OMS (Organização Mundial da Saúde), é possível reduzir em até 40% a incidênc…

Fotos do seu filho que você não deve postar nas redes sociais

Está rolando nesta semana uma brincadeira nas redes sociais chamada "Desafio da Maternidade". Trata-se de uma corrente em que as mães marcam outras dez grandes mães, assim por elas consideradas, em suas linhas do tempo do Facebook para que cada uma poste três fotos de momentos que foram marcantes para elas no quesito "ser mãe". O assunto gerou um pouco de polêmica e até há uma suspeita de que a tal corrente tenha sido criada por um grupo de pedófilos para a "coleção" de novas fotos de crianças e divulgação dessas imagens em sites "indevidos". Boato ou não, a questão é que cada mãe toma sua própria decisão sobre postar ou não as fotos dos seus filhos nas redes sociais. Bem, a ideia deste texto é apenas orientar as mamães sobre que tipos de fotos dos pequenos nunca postar. 


1. Não poste fotos do seu filho nu - Não interessa se na imagem ele está tomando banho, trocando a fraldinha, ou experimentando uma roupa nova. Os pedófilos gostam de procurar f…