Pular para o conteúdo principal

A pequena bailarina e uma tristeza

Tinha oferecido o melhor de si no palco e, pequenina, já entendia o peso da sua responsabilidade para o êxito do espetáculo da escola de ballet. Fantasias entregues, sapatilhas guardadas na mochila, cabelos armados de gel e rostinho brilhando da maquiagem. Ela havia dançado feliz e estava pronta no camarim para deixar o teatro. Tudo deveria estar bem. Deveria... Na saída, como de costume, via os pais das outras meninas elogiando as filhas e lhes entregando flores pela bela apresentação, mas seu pai não estava lá para recebê-la. A mãe e irmãs, sim. O papai, não.

Essa Mãe aos seis anos.

Essa garotinha da história sou eu. Danço desde os cinco anos de idade e sempre tive o incentivo da minha família, mas doía não ter a presença do meu pai nos dias de festival de dança. Passava o ano inteiro fazendo aulas e aquele momento era o ápice para mim (e para todas as minhas colegas). Que meu pai dormisse o espetáculo inteiro, achando entediante ver tantas crianças ainda sem coordenação, em coreografias simples, mas queria que estivesse na plateia, atento ao meu momento de estrela mirim.  

Até hoje sinto tristeza ao lembrar disso. Para mim, estar ali, no palco, significava muito e tinha o desejo de que meu pai não apenas pagasse com gosto as mensalidades e me levasse para as aulas (sou eternamente grata a ele por ter investido em meus muitos anos de dança), mas me desse o privilégio de ver o que eu havia aprendido em horas e horas de ensaio e estava e disposta a mostrar ao público. A dança sempre foi e sempre será uma paixão em minha vida.

Por que estou contando essa história? Não é para falar mal de meu pai (amo, ele sabe, e está perdoado! rs), não é para cobrar nada dele a uma altura dessa, mas para fazer um alerta. Com tudo isso, e agora mãe, vejo a importância do incentivo e da presença dos pais em situações e experiências consideradas relevantes pelos filhos. É bom saber que quem você ama está por perto, torcendo pelo seu sucesso, vibrando pelo seu desempenho. 

A ausência do meu pai nos dias de espetáculo me marcou. Era como se sempre faltasse algo especial para tornar aquele acontecimento perfeito. Meu herói não me via brilhar. E eu guardava, resignada, a inveja que sentia das outras meninas, tão lindamente mimadas por seus papais. Talvez eles também achassem tudo aquilo muito chato. Suas filhas não precisavam saber. Queriam, como eu, o abraço carinhoso no final.   

Leia também:




Instagram: @blog.essamae   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dezesseis dicas para ajudar o bebê a dormir melhor

Uma das coisas que deixam qualquer mãe muito cansada (e até estressada) é o sono intranquilo ou irregular do bebê. Na verdade, é impossível criar uma receita infalível e adaptável a todos os casos, pensando em fazer a criança dormir melhor. Os bebezinhos, como nós, são pessoas (!), com suas dificuldades, manias, vontades e particularidades. Para tentar ajudar quem está passando por essa fase de noites mal dormidas, vou listar alguns truques simples, todos testados com minha filha e com bons resultados. Anote aí! Foto: Ingrid Dragone 1. No início, o bebê tende a trocar o dia pela noite. Assim, desde que ele nasce, é bom ensinar o que é dia e o que é noite. Durante o dia ele deve cochilar com a luz natural e acostumado com todos os sons da rotina da casa. Já à noite, defina um horário, escureça o quarto (pode ser parcialmente, se preferir) e diminua o volume. Fiz isso com minha filha, definindo o game over às 20h. Coincidentemente ou não, é o horário que ela dorme diariamente a

Campanha Lave as Mãos para Pegar no Bebê!

Atenção, mamãe! Não ligue se a sua visita (gente da família ou não) torcer o nariz por "precisar" lavar as mãos para pegar no seu bebê. Percebi que, especialmente, as pessoas mais velhas apresentam maior resistência a esse tipo de pedido, acham frescura. Passar álcool em gel depois da lavagem das mãos? Colocar uma fraldinha em cima da roupa para carregar o bebê? Piorou ainda... E qual o seu papel nessa hora? Ser firme e zelar pela saúde do seu filho!  Você sabia que existe o Dia Mundial da Higienização das Mãos? Pois é! Todo 05 de maio as campanhas se intensificam, lembrando que o simples ato de lavar as mãos previne doenças como infecção nos olhos,  infecção estomacal e respiratória, gripes, resfriados, diarreia, doenças de pele, dor de garganta, infecção no ouvido e erupções na pele. Segundo a UNICEF ( Fundo das Nações Unidas para a Infância) - instituição da ONU (Organização das Nações Unidas) -  e a OMS (Organização Mundial da Saúde), é possível reduzir em até 40%

Fotos do seu filho que você não deve postar nas redes sociais

Está rolando nesta semana uma brincadeira nas redes sociais chamada "Desafio da Maternidade". Trata-se de uma corrente em que as mães marcam outras dez grandes mães, assim por elas consideradas, em suas linhas do tempo do Facebook para que cada uma poste três fotos de momentos que foram marcantes para elas no quesito "ser mãe". O assunto gerou um pouco de polêmica e até há uma suspeita de que a tal corrente tenha sido criada por um grupo de pedófilos para a "coleção" de novas fotos de crianças e divulgação dessas imagens em sites "indevidos". Boato ou não, a questão é que cada mãe toma sua própria decisão sobre postar ou não as fotos dos seus filhos nas redes sociais. Bem, a ideia deste texto é apenas orientar as mamães sobre que tipos de fotos dos pequenos nunca postar.  Foto: Ingrid Dragone  1.  Não poste fotos do seu filho nu  - Não interessa se na imagem ele está tomando banho, trocando a fraldinha, ou experimentando uma roupa no