Pular para o conteúdo principal

A chegada do meu filho

Meu filho veio ao mundo no último dia 2 de julho, exatamente 1 ano de 7 meses depois da irmãzinha - ela é de 2 de dezembro de 2014. Nem acredito que já faz um mês que ele chegou, dando sentindo ao quarto com decoração de carrinhos, enchendo a minha vida de azul, e o meu varal, mais uma vez, de fraldinhas de pano e luvinhas.  



As fotos desse post foram feitas com muito amor pelo papai - Daniel Vaz

Na véspera do nascimento dele, comentei aqui em casa que estava me sentindo diferente, como se o bebê tivesse encaixado. Comecei a andar com as pernas um pouco mais fechadas, como se pudesse impedir alguma coisa. Tinha naquele dia uma consulta, marcada há uma semana, com minha obstetra, coisa de Deus mesmo. Cheguei lá no final da tarde e comentei o que estava sentindo e qual a minha sensação. Foi feito o exame de toque e constatado: meu filho poderia nascer a qualquer momento, embora o colo do útero estivesse ainda fechado. 

Passei a madrugada sentindo pequenas contrações. Dormi mal, um pouco pelos sintomas, um pouco pela ansiedade. No sábado, após o almoço, as contrações começaram a aparecer novamente, um pouco mais intensas. Sem nada combinar, minha irmã chegou aqui em casa com meu pai e acabou, novamente por obra de Deus, ficando para cuidar da minha princesa. Corri pra tomar banho, passei a rotina da pequena para minha irmã, meu marido pegou as bagagens e a câmera e... #partiuhospital!  

Vale ressaltar que estávamos atentos aos meus sinais desde as 35 semanas de gestação, porque foi nessa etapa da gravidez que a minha filha nasceu (prematura tardia, mas completamente sadia, graças a Deus). Na época, disse a minha médica que não estava mais aguentando trabalhar e fazer atividade física, e ainda comentei que sentia que minha barriga não esticava mais. No dia em que pedi minha licença maternidade na empresa, conheci a minha princesa. Na segunda gravidez, novamente pontuei que não iria até as 39 semanas e, sensível, minha obstetra não ignorou a minha sensação. Mães com histórico de parto prematuro merecem uma atenção especial na gestação seguinte, inclusive. Por isso até, desta vez, fiz uso de cápsulas de progesterona no finalzinho para segurar mais o baby no forninho.  

Bem, a minha experiência no hospital não foi das mais agradáveis, confesso, mas o que importa é que meu caçula nasceu saudável e perfeito, de parto cesariano, com 37 semanas, pesando 3 315 g, medindo 48 cm, às 21h40, depois de Essa Mãe "comer" muitas contrações. Ele está, exclusivamente, no leite materno desde o nascimento e já está pesando 4 390 g e medindo 53 cm. 




Não há momento igual nessa vida! 

No momento em que vi meu filho pela primeira vez, suspenso pelas mãos de Doutora Vera Lobo (a mesma médica que fez o meu primeiro parto), senti uma emoção indescritível, tão intensa quanto no meu primeiro parto. O nascimento de um filho é sempre divino! Vi ainda a reação dos meus familiares naquela janelinha do centro cirúrgico. Minha mãe viu o neto nascer!  

Olha lá a família coruja!!!

Passei os dias de internação acompanhada de meu marido (além de fofo, registra todos os momentos!), minhas irmãs e minha cunhada. Eles também se revesaram, junto com meu pai e minha mãe, para cuidar da minha princesa! Estava morreeeeendo de saudade dela! Doida pra voltar pra casa! 

Bem mais tranquila do que na época do nascimento da minha filha, estou feliz com o meu casalzinho, embora não negue a exaustão de cuidar de dois pequenos. Meu marido tirou férias para me ajudar com eles nesse primeiro mês e hoje, oficialmente, é o primeiro dia em que fico com os dois pacotinhos completamente sozinha em casa. Cada tarefa concluída com sucesso é uma vitória! Agora, por exemplo, estou aproveitando que consegui fazer os dois dormirem no mesmo horário, para que eu pudesse almoçar em paz e escrever aqui pela primeira vez depois do parto! Bem, mas isso é assunto para outro post (risos). Estou com olheiras e vivo de camisola. Choro às vezes de cansaço, mas está fluindo. Filho é bênção. 


Leia também:

MÃE FICA EXAUSTA

MÃE DESCE DO SALTO

NÃO QUERO SER A MULHER MARAVILHA, MAS A MULHER MARAVILHOSA

COISAS QUE TALVEZ NUNCA TENHAM TE FALADO SOBRE SER MÃE

HÁ UM ANO NASCEU UM AMOR E UMA MÃE


Instagram: @blog.essamae 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dezesseis dicas para ajudar o bebê a dormir melhor

Uma das coisas que deixam qualquer mãe muito cansada (e até estressada) é o sono intranquilo ou irregular do bebê. Na verdade, é impossível criar uma receita infalível e adaptável a todos os casos, pensando em fazer a criança dormir melhor. Os bebezinhos, como nós, são pessoas (!), com suas dificuldades, manias, vontades e particularidades. Para tentar ajudar quem está passando por essa fase de noites mal dormidas, vou listar alguns truques simples, todos testados com minha filha e com bons resultados. Anote aí! Foto: Ingrid Dragone 1. No início, o bebê tende a trocar o dia pela noite. Assim, desde que ele nasce, é bom ensinar o que é dia e o que é noite. Durante o dia ele deve cochilar com a luz natural e acostumado com todos os sons da rotina da casa. Já à noite, defina um horário, escureça o quarto (pode ser parcialmente, se preferir) e diminua o volume. Fiz isso com minha filha, definindo o game over às 20h. Coincidentemente ou não, é o horário que ela dorme diariamente a

Campanha Lave as Mãos para Pegar no Bebê!

Atenção, mamãe! Não ligue se a sua visita (gente da família ou não) torcer o nariz por "precisar" lavar as mãos para pegar no seu bebê. Percebi que, especialmente, as pessoas mais velhas apresentam maior resistência a esse tipo de pedido, acham frescura. Passar álcool em gel depois da lavagem das mãos? Colocar uma fraldinha em cima da roupa para carregar o bebê? Piorou ainda... E qual o seu papel nessa hora? Ser firme e zelar pela saúde do seu filho!  Você sabia que existe o Dia Mundial da Higienização das Mãos? Pois é! Todo 05 de maio as campanhas se intensificam, lembrando que o simples ato de lavar as mãos previne doenças como infecção nos olhos,  infecção estomacal e respiratória, gripes, resfriados, diarreia, doenças de pele, dor de garganta, infecção no ouvido e erupções na pele. Segundo a UNICEF ( Fundo das Nações Unidas para a Infância) - instituição da ONU (Organização das Nações Unidas) -  e a OMS (Organização Mundial da Saúde), é possível reduzir em até 40%

Fotos do seu filho que você não deve postar nas redes sociais

Está rolando nesta semana uma brincadeira nas redes sociais chamada "Desafio da Maternidade". Trata-se de uma corrente em que as mães marcam outras dez grandes mães, assim por elas consideradas, em suas linhas do tempo do Facebook para que cada uma poste três fotos de momentos que foram marcantes para elas no quesito "ser mãe". O assunto gerou um pouco de polêmica e até há uma suspeita de que a tal corrente tenha sido criada por um grupo de pedófilos para a "coleção" de novas fotos de crianças e divulgação dessas imagens em sites "indevidos". Boato ou não, a questão é que cada mãe toma sua própria decisão sobre postar ou não as fotos dos seus filhos nas redes sociais. Bem, a ideia deste texto é apenas orientar as mamães sobre que tipos de fotos dos pequenos nunca postar.  Foto: Ingrid Dragone  1.  Não poste fotos do seu filho nu  - Não interessa se na imagem ele está tomando banho, trocando a fraldinha, ou experimentando uma roupa no