Pular para o conteúdo principal

Mães na favela: 92% delas não vão conseguir comprar comida devido à pandemia

A pandemia chegou afetando a economia mundial e, obviamente, causando grande impacto na renda de muitas famílias. No Brasil, nove em cada dez mães que moram em favelas terão dificuldade para comprar alimentos após apenas um mês sem renda. O dado representa 92% do total de entrevistadas pelo Instituto Data Favela e pelo Locomotiva Instituto de Pesquisa, para a realização do estudo "Coronavírus - Mães da Favela”. O levantamento foi feito em 260 comunidades, localizadas em todos os estados do Brasil. Vale ressaltar que as favelas brasileiras abrigam hoje 5,2 milhões de mães, com média de 2,7 filhos cada.


A pesquisa aponta também que sete em cada dez mães não vão conseguir manter o padrão de vida por nenhum período, caso fiquem sem renda. O restante delas tem uma reserva para se manter por até dois meses. A parcela de 85% dessas mulheres disse que o pagamento das contas será prejudicado pela permanência em casa, sem renda. As mães que estão cortando gastos para passar por este momento somam 87% do total. 

Além disso, três em cada quatro mães, cujos filhos não estão indo para a escola devido ao novo coronavírus, disseram que os gastos domésticos aumentaram. Para sete em cada dez, o fato de os filhos estarem em casa dificulta o trabalho da família para obtenção de renda. 

Segundo o estudo, 84% das mães entrevistadas já sofrem impactos com a diminuição da renda, 37% são autônomas e 15% têm carteira assinada. Para 84% delas, as vendas nos seus negócios ou nas empresas em que trabalham foram reduzidas. 
(Com informações da Agência Brasil)

Leia também:

Mais conteúdos no Instagram:
@blog.essamae
@ingriddragone 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dezesseis dicas para ajudar o bebê a dormir melhor

Uma das coisas que deixam qualquer mãe muito cansada (e até estressada) é o sono intranquilo ou irregular do bebê. Na verdade, é impossível criar uma receita infalível e adaptável a todos os casos, pensando em fazer a criança dormir melhor. Os bebezinhos, como nós, são pessoas (!), com suas dificuldades, manias, vontades e particularidades. Para tentar ajudar quem está passando por essa fase de noites mal dormidas, vou listar alguns truques simples, todos testados com minha filha e com bons resultados. Anote aí! Foto: Ingrid Dragone 1. No início, o bebê tende a trocar o dia pela noite. Assim, desde que ele nasce, é bom ensinar o que é dia e o que é noite. Durante o dia ele deve cochilar com a luz natural e acostumado com todos os sons da rotina da casa. Já à noite, defina um horário, escureça o quarto (pode ser parcialmente, se preferir) e diminua o volume. Fiz isso com minha filha, definindo o game over às 20h. Coincidentemente ou não, é o horário que ela dorme diariamente a

Campanha Lave as Mãos para Pegar no Bebê!

Atenção, mamãe! Não ligue se a sua visita (gente da família ou não) torcer o nariz por "precisar" lavar as mãos para pegar no seu bebê. Percebi que, especialmente, as pessoas mais velhas apresentam maior resistência a esse tipo de pedido, acham frescura. Passar álcool em gel depois da lavagem das mãos? Colocar uma fraldinha em cima da roupa para carregar o bebê? Piorou ainda... E qual o seu papel nessa hora? Ser firme e zelar pela saúde do seu filho!  Você sabia que existe o Dia Mundial da Higienização das Mãos? Pois é! Todo 05 de maio as campanhas se intensificam, lembrando que o simples ato de lavar as mãos previne doenças como infecção nos olhos,  infecção estomacal e respiratória, gripes, resfriados, diarreia, doenças de pele, dor de garganta, infecção no ouvido e erupções na pele. Segundo a UNICEF ( Fundo das Nações Unidas para a Infância) - instituição da ONU (Organização das Nações Unidas) -  e a OMS (Organização Mundial da Saúde), é possível reduzir em até 40%

Fotos do seu filho que você não deve postar nas redes sociais

Está rolando nesta semana uma brincadeira nas redes sociais chamada "Desafio da Maternidade". Trata-se de uma corrente em que as mães marcam outras dez grandes mães, assim por elas consideradas, em suas linhas do tempo do Facebook para que cada uma poste três fotos de momentos que foram marcantes para elas no quesito "ser mãe". O assunto gerou um pouco de polêmica e até há uma suspeita de que a tal corrente tenha sido criada por um grupo de pedófilos para a "coleção" de novas fotos de crianças e divulgação dessas imagens em sites "indevidos". Boato ou não, a questão é que cada mãe toma sua própria decisão sobre postar ou não as fotos dos seus filhos nas redes sociais. Bem, a ideia deste texto é apenas orientar as mamães sobre que tipos de fotos dos pequenos nunca postar.  Foto: Ingrid Dragone  1.  Não poste fotos do seu filho nu  - Não interessa se na imagem ele está tomando banho, trocando a fraldinha, ou experimentando uma roupa no