Pular para o conteúdo principal

Dez estratégias para criar filhos de maneira empática

Como educar um filho com base no respeito, na empatia, no exemplo, na gentileza e na promoção da autonomia, contudo, estabelecendo limites? Muitas vezes é difícil desconstruir o padrão de educação que conhecemos na nossa infância. Aprender a ser firme e gentil, ao mesmo tempo, é um exercício diário. É necessário se colocar no lugar da criança, compreendendo seus medos e inseguranças. Ela está em formação, descobrindo o mundo ao seu redor, muitas vezes não consegue se expressar e tem dificuldade em lidar com novas situações, com suas próprias emoções e sentimentos.  

Para acolher a criança, os pais devem levar em consideração as individualidades dela e as fases do seu desenvolvimento. A chave é construir e manter vínculos com ela, estar presente e fazer com que ela se sinta conectada, aceita e capaz. Para tanto, é necessário adotar alguns procedimentos:

1. Ouvir a criança e considerar o que ela está pensando, sentindo, aprendendo e decidindo. 

2. Depois da escuta, dar as orientações necessárias e ensinar que as nossas escolhas podem gerar consequências positivas e negativas. 

3. Entender o momento que ela está vivendo e se solidarizar.

4. Dialogar, se preocupando em saber como a mensagem chega até a criança. Falar com ela como você quer que ela fale com você e com as outras pessoas.

5. No momento da birra, compreender que a criança está passando por um sofrimento, não está sabendo resolver o conflito e nem se comunicar adequadamente. Algumas estratégias podem funcionar nesse momento: abraçar a criança; ensiná-la a respirar; ficar ao lado e deixar que ela chore para dar vazão à raiva ou frustração; chamar a atenção dela para outra coisa, para que se acalme e assim possa acontecer o diálogo. 

6. Oferecer alternativas é um bom caminho. Muitas vezes os pais só dizem aos filhos o que eles não podem fazer, mas não dizem o que eles podem fazer. 

7. Estabelecer limites e exercer autoridade com gentileza e respeito. Não se trata de deixar a criança fazer o que quiser. Uma tática é fazer com que ela se sinta responsável e importante através, por exemplo, de combinados. 

8. Promover a autonomia, encorajar e incentivar a criança a pensar e resolver seus problemas. Assim, ela cresce mais segura e se torna mais responsável por suas ações.

9. Buscar o autocontrole. Essa parte é difícil, mas gritar com a criança não vai fazê-la entender direito o que você precisa dizer. Muitas vezes é necessário se afastar um pouco, respirar fundo, e voltar ao cenário, com a cabeça fria, para tomar a atitude correta. 

10. Deixe as regras claras, bem definidas! Estabelecer regras e flexibilizá-las a todo momento só vai deixar a criança confusa. Assim, ela nunca saberá ao certo o que realmente pode e não pode fazer. 

Colocar essas estratégias em prática exige de nós uma releitura do padrão educativo com o qual estamos acostumados, mas o esforço vale a pena. Dessa maneira, ensinamos o nosso filho a agir com mais respeito, empatia e cuidado, e ainda favorecemos o desenvolvimento da autoestima dele. 

Em muitas situações, no momento de estresse ou na ânsia de proteger e educar nosso filho,  nos comunicamos (linguagem verbal e corporal) de modo exaltado e agressivo. Obviamente, não fazemos por mal, queremos o melhor para ele. Portanto, é importante refletir sobre o que nós conhecíamos como "o ideal" e proceder com mais acolhimento, sendo um exemplo a ser seguido por ele.  












Leia também:






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dezesseis dicas para ajudar o bebê a dormir melhor

Uma das coisas que deixam qualquer mãe muito cansada (e até estressada) é o sono intranquilo ou irregular do bebê. Na verdade, é impossível criar uma receita infalível e adaptável a todos os casos, pensando em fazer a criança dormir melhor. Os bebezinhos, como nós, são pessoas (!), com suas dificuldades, manias, vontades e particularidades. Para tentar ajudar quem está passando por essa fase de noites mal dormidas, vou listar alguns truques simples, todos testados com minha filha e com bons resultados. Anote aí! Foto: Ingrid Dragone 1. No início, o bebê tende a trocar o dia pela noite. Assim, desde que ele nasce, é bom ensinar o que é dia e o que é noite. Durante o dia ele deve cochilar com a luz natural e acostumado com todos os sons da rotina da casa. Já à noite, defina um horário, escureça o quarto (pode ser parcialmente, se preferir) e diminua o volume. Fiz isso com minha filha, definindo o game over às 20h. Coincidentemente ou não, é o horário que ela dorme diariamente a

Campanha Lave as Mãos para Pegar no Bebê!

Atenção, mamãe! Não ligue se a sua visita (gente da família ou não) torcer o nariz por "precisar" lavar as mãos para pegar no seu bebê. Percebi que, especialmente, as pessoas mais velhas apresentam maior resistência a esse tipo de pedido, acham frescura. Passar álcool em gel depois da lavagem das mãos? Colocar uma fraldinha em cima da roupa para carregar o bebê? Piorou ainda... E qual o seu papel nessa hora? Ser firme e zelar pela saúde do seu filho!  Você sabia que existe o Dia Mundial da Higienização das Mãos? Pois é! Todo 05 de maio as campanhas se intensificam, lembrando que o simples ato de lavar as mãos previne doenças como infecção nos olhos,  infecção estomacal e respiratória, gripes, resfriados, diarreia, doenças de pele, dor de garganta, infecção no ouvido e erupções na pele. Segundo a UNICEF ( Fundo das Nações Unidas para a Infância) - instituição da ONU (Organização das Nações Unidas) -  e a OMS (Organização Mundial da Saúde), é possível reduzir em até 40%

Fotos do seu filho que você não deve postar nas redes sociais

Está rolando nesta semana uma brincadeira nas redes sociais chamada "Desafio da Maternidade". Trata-se de uma corrente em que as mães marcam outras dez grandes mães, assim por elas consideradas, em suas linhas do tempo do Facebook para que cada uma poste três fotos de momentos que foram marcantes para elas no quesito "ser mãe". O assunto gerou um pouco de polêmica e até há uma suspeita de que a tal corrente tenha sido criada por um grupo de pedófilos para a "coleção" de novas fotos de crianças e divulgação dessas imagens em sites "indevidos". Boato ou não, a questão é que cada mãe toma sua própria decisão sobre postar ou não as fotos dos seus filhos nas redes sociais. Bem, a ideia deste texto é apenas orientar as mamães sobre que tipos de fotos dos pequenos nunca postar.  Foto: Ingrid Dragone  1.  Não poste fotos do seu filho nu  - Não interessa se na imagem ele está tomando banho, trocando a fraldinha, ou experimentando uma roupa no