Pular para o conteúdo principal

Ensinamentos sobre o consumo consciente na infância

Você já refletiu sobre o grande estímulo que nós recebemos para comprar e ter cada vez mais coisas? Muitos produtos são apresentados às pessoas como necessários. O problema, na verdade, não é o ato de consumir em si. O problema é consumir sem critério e sem pensar nos impactos do nosso consumo, tanto no contexto global, como na criação dos nossos filhos. 


Consumo e ato político

➡️ Todo consumo gera um impacto sobre a natureza e a mão de obra utilizada.

➡️ Nosso consumo está produzindo efeitos negativos ou positivos?

➡️ Consumo consciente não muda tudo, mas pode ser o início de muitas mudanças sociais, econômicas e ecológicas.

➡️ Cidadãos conscientes exigem mudanças de empresas e governos.

➡️ Nossa consciência começa em decisões de compra. "Compro isso somente para ter ou compro isso porque é necessário?"

➡️ Consumir conscientemente é também aprender a dizer aos padrões que nos impõem.

➡️ Quando possível, vamos priorizar a contratação de serviços e a compra de produtos de empresas sustentáveis.


Consumo exagerado e infância

➡️ O excesso pode fazer a criança confundir amor com ganhar presentes.

➡️ Muitos pais compensam a ausência com presentes, ensinando ao filho que a conexão pessoal pode ser substituída por bens materiais.

➡️ Bem materiais não geram memórias afetivas como a qualidade de tempo.

➡️ A criança pode aprender a medir o seu valor pela quantidade de coisas que possui.

➡️ Momentos e brincadeiras que não envolvam presentes podem ser vistos pela criança como desinteressantes.

➡️ Se a criança internaliza que o importante é acumular coisas, ela vai crescer com menor liberdade para decidir o que é realmente essencial para a sua vida.


Para falar com seu filho sobre consumo consciente e desapego de maneira interessante, clara e verdadeira, você pode fazer uso de recursos educativos, a exemplo do meu livro "A caracol que não sabia desapegar". Inclua o título na biblioteca do seu pequeno, clicando AQUI





















Com amor,
Ingrid Dragone

Leia também:



Mais conteúdos no meu Instagram 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dezesseis dicas para ajudar o bebê a dormir melhor

Uma das coisas que deixam qualquer mãe muito cansada (e até estressada) é o sono intranquilo ou irregular do bebê. Na verdade, é impossível criar uma receita infalível e adaptável a todos os casos, pensando em fazer a criança dormir melhor. Os bebezinhos, como nós, são pessoas (!), com suas dificuldades, manias, vontades e particularidades. Para tentar ajudar quem está passando por essa fase de noites mal dormidas, vou listar alguns truques simples, todos testados com minha filha e com bons resultados. Anote aí! Foto: Ingrid Dragone 1. No início, o bebê tende a trocar o dia pela noite. Assim, desde que ele nasce, é bom ensinar o que é dia e o que é noite. Durante o dia ele deve cochilar com a luz natural e acostumado com todos os sons da rotina da casa. Já à noite, defina um horário, escureça o quarto (pode ser parcialmente, se preferir) e diminua o volume. Fiz isso com minha filha, definindo o game over às 20h. Coincidentemente ou não, é o horário que ela dorme diariamente a

Campanha Lave as Mãos para Pegar no Bebê!

Atenção, mamãe! Não ligue se a sua visita (gente da família ou não) torcer o nariz por "precisar" lavar as mãos para pegar no seu bebê. Percebi que, especialmente, as pessoas mais velhas apresentam maior resistência a esse tipo de pedido, acham frescura. Passar álcool em gel depois da lavagem das mãos? Colocar uma fraldinha em cima da roupa para carregar o bebê? Piorou ainda... E qual o seu papel nessa hora? Ser firme e zelar pela saúde do seu filho!  Você sabia que existe o Dia Mundial da Higienização das Mãos? Pois é! Todo 05 de maio as campanhas se intensificam, lembrando que o simples ato de lavar as mãos previne doenças como infecção nos olhos,  infecção estomacal e respiratória, gripes, resfriados, diarreia, doenças de pele, dor de garganta, infecção no ouvido e erupções na pele. Segundo a UNICEF ( Fundo das Nações Unidas para a Infância) - instituição da ONU (Organização das Nações Unidas) -  e a OMS (Organização Mundial da Saúde), é possível reduzir em até 40%

Fotos do seu filho que você não deve postar nas redes sociais

Está rolando nesta semana uma brincadeira nas redes sociais chamada "Desafio da Maternidade". Trata-se de uma corrente em que as mães marcam outras dez grandes mães, assim por elas consideradas, em suas linhas do tempo do Facebook para que cada uma poste três fotos de momentos que foram marcantes para elas no quesito "ser mãe". O assunto gerou um pouco de polêmica e até há uma suspeita de que a tal corrente tenha sido criada por um grupo de pedófilos para a "coleção" de novas fotos de crianças e divulgação dessas imagens em sites "indevidos". Boato ou não, a questão é que cada mãe toma sua própria decisão sobre postar ou não as fotos dos seus filhos nas redes sociais. Bem, a ideia deste texto é apenas orientar as mamães sobre que tipos de fotos dos pequenos nunca postar.  Foto: Ingrid Dragone  1.  Não poste fotos do seu filho nu  - Não interessa se na imagem ele está tomando banho, trocando a fraldinha, ou experimentando uma roupa no