Pular para o conteúdo principal

O jantar caótico e o caos materno

A mesa do jantar está posta, mas não há ordem. As crianças não comem. As gargalhadas parecem não ter fim, assim como as migalhas de pão pelo chão da cozinha. Vez ou outra um dos filhos se levanta, vagueia pela casa e volta, sem respeitar o momento em família. No caos, alguém se excede e grita: "cheeeeega!". Alguém? Quem? A "louca" da mãe. Claro.



E quais motivos ela teria para explodir daquela maneira? Afinal, ela só estava sem dormir por duas noites, monitorando a cria adoentada, além disso estava de TPM e tinha passado o dia inteiro só arrumando as coisas da casa e sanando as necessidades das suas crianças pequenas, enquanto seus cabelos permaneciam indesejavelmente sujos e as unhas por fazer.


Que direito ela tinha de berrar daquela maneira, assustando a própria família e sendo mal-educada, mau exemplo, descontrolada e perturbadora da paz da vizinhança? Como ela podia ser tão sem noção, imprudente, amalucada mesmo?

Aquele grito não foi causado pelo circo que se instalou na hora da janta. Foi, na verdade, um grito de socorro, saído de suas entranhas, a maneira que ela encontrou de extravasar o estresse e a frustração que vinha carregando há dias sobre os ombros, inclusive, visivelmente arqueados para frente.

Após o grito, certamente ela sentiu vergonha, culpa, remorso ou qualquer sentimento negativo e angustiante. Ela não precisa de julgamento, nem precisa ser ridicularizada ou hostilizada. Ela precisa de compaixão. Talvez precise de um abraço, de colaboração ou até de uma fuga. Fuga? Fugir para onde? Como? Seu lugar, ela sabe, é junto dos filhos.

Após o grito, a ordem até se estabelece na mesa. Contudo, a desordem dentro da mente e do corpo exausto da mãe continua por lá, fazendo algum estrago. Ela não queria ter gritado, ela só queria escapar de como ela se sentia, da prisão física e emocional em que se encontrava. Ela queria ecoar sua insatisfação e sua natural inabilidade com o excesso de afazeres. Ela só queria ter um minuto da sensação de normalidade cotidiana e êxito materno.

Leia também:




Mais conteúdos no Instagram. CLIQUE AQUI


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dezesseis dicas para ajudar o bebê a dormir melhor

Uma das coisas que deixam qualquer mãe muito cansada (e até estressada) é o sono intranquilo ou irregular do bebê. Na verdade, é impossível criar uma receita infalível e adaptável a todos os casos, pensando em fazer a criança dormir melhor. Os bebezinhos, como nós, são pessoas (!), com suas dificuldades, manias, vontades e particularidades. Para tentar ajudar quem está passando por essa fase de noites mal dormidas, vou listar alguns truques simples, todos testados com minha filha e com bons resultados. Anote aí! Foto: Ingrid Dragone 1. No início, o bebê tende a trocar o dia pela noite. Assim, desde que ele nasce, é bom ensinar o que é dia e o que é noite. Durante o dia ele deve cochilar com a luz natural e acostumado com todos os sons da rotina da casa. Já à noite, defina um horário, escureça o quarto (pode ser parcialmente, se preferir) e diminua o volume. Fiz isso com minha filha, definindo o game over às 20h. Coincidentemente ou não, é o horário que ela dorme diariamente a

Campanha Lave as Mãos para Pegar no Bebê!

Atenção, mamãe! Não ligue se a sua visita (gente da família ou não) torcer o nariz por "precisar" lavar as mãos para pegar no seu bebê. Percebi que, especialmente, as pessoas mais velhas apresentam maior resistência a esse tipo de pedido, acham frescura. Passar álcool em gel depois da lavagem das mãos? Colocar uma fraldinha em cima da roupa para carregar o bebê? Piorou ainda... E qual o seu papel nessa hora? Ser firme e zelar pela saúde do seu filho!  Você sabia que existe o Dia Mundial da Higienização das Mãos? Pois é! Todo 05 de maio as campanhas se intensificam, lembrando que o simples ato de lavar as mãos previne doenças como infecção nos olhos,  infecção estomacal e respiratória, gripes, resfriados, diarreia, doenças de pele, dor de garganta, infecção no ouvido e erupções na pele. Segundo a UNICEF ( Fundo das Nações Unidas para a Infância) - instituição da ONU (Organização das Nações Unidas) -  e a OMS (Organização Mundial da Saúde), é possível reduzir em até 40%

Fotos do seu filho que você não deve postar nas redes sociais

Está rolando nesta semana uma brincadeira nas redes sociais chamada "Desafio da Maternidade". Trata-se de uma corrente em que as mães marcam outras dez grandes mães, assim por elas consideradas, em suas linhas do tempo do Facebook para que cada uma poste três fotos de momentos que foram marcantes para elas no quesito "ser mãe". O assunto gerou um pouco de polêmica e até há uma suspeita de que a tal corrente tenha sido criada por um grupo de pedófilos para a "coleção" de novas fotos de crianças e divulgação dessas imagens em sites "indevidos". Boato ou não, a questão é que cada mãe toma sua própria decisão sobre postar ou não as fotos dos seus filhos nas redes sociais. Bem, a ideia deste texto é apenas orientar as mamães sobre que tipos de fotos dos pequenos nunca postar.  Foto: Ingrid Dragone  1.  Não poste fotos do seu filho nu  - Não interessa se na imagem ele está tomando banho, trocando a fraldinha, ou experimentando uma roupa no